Atualidades

A política e a caridade

Pe. Almir Magalhães*

No dia 14 de maio de 1971, o Papa Paulo VI deu a conhecer uma Carta Apostólica sua intitulada OCTOGESIMA ADVENIENS (OA) para homenagear os 80 anos do primeiro documento sobre o Ensino Social da Igreja, a RERUM NOVARUM (15.05.1891).

Na AO, há uma frase do Papa que merece a atenção dos cristãos. No nº. 46, o Papa trata do significado cristão da ação política e afirma: “A política é uma maneira exigente, se bem que não seja a única, de viver o compromisso cristão, a serviço dos outros”. Esta mesma frase tem sido traduzida simplesmente por: “A política é forma sublime de exercer a caridade”.

Os dois termos, política e caridade, podem vir carregados historicamente de interpretações ambíguas. Via de regra as pessoas consideram a política como uma atividade que é exercida só por “políticos” profissionais, diretamente filiados a determinados partidos, e, de maneira equivocada se ausentam de seu papel, até mesmo odiando a política, deixando livres aqueles para os quais transferem a responsabilidade na gestão dos interesses coletivos (educação, saúde, mobilidade urbana, segurança, políticas públicas…).

Neste sentido o momento das eleições nos vários níveis se reveste de uma importância ímpar porquanto “o sujeito da autoridade política é o povo considerado na sua totalidade como detentor da soberania. O povo transfere o exercício de sua soberania para aqueles que elege livremente como seus representantes, mas conserva a faculdade de a fazer valer no controle da atuação dos governantes e também na sua substituição, caso não cumpram de modo satisfatório as suas funções” (cf. Compêndio da Doutrina Social da Igreja, do Pontifício Conselho Justiça e paz, Paulinas, 2005, n. 395). Vejam que há aqui uma diferença enorme entre o que o povo pensa quando elege alguém e a essência do papel do político eleito. Pode-se afirmar, pois, numa linguagem popular, que aqueles que elegemos são nossos funcionários. Por tudo o que acontece na contramão, é que existem grupos que advogam a idéia de não votar, desiludidos com a política que existe para administrar um modelo esgotou possibilidades.

Por outro lado o termo caridade sempre foi entendido de forma muito assistencialista, de ter “peninha” de alguém que sofre, dando-lhe algumas moedinhas, migalhas, oferecendo-lhe sopões, cestas básicas. A caridade, no entanto, deve ser entendida em sua tríplice dimensão: emergencial, promoção humana e transformação social.

É explicitamente na terceira dimensão que entra a caridade com seu caráter político, do bem comum e de acordo com a perspectiva colocada pelo Papa Paulo VI no documento aqui referido. Ela incorpora o aspecto prioritário do bem comum. Sair da mentalidade de resolver com os políticos coisas pessoais e de seus interesses e a partir de trocas (inclusive do voto). É deixar de pensar no campo da política somente no bem estar pessoal, característica da atual sociedade onde há a ditadura do individualismo para pensar no bem estar coletivo. É evitar resolver os problemas por cima, através de uma liderança que é amiga de algum vereador, deputado estadual, ajudando o grupo, a comunidade a crescer, envolvendo as pessoas nos encaminhamentos comuns, interpretando e aprendendo das práticas dos políticos profissionais, das demoras, das respostas, enfim exigindo e exercendo o controle social. É o princípio da alteridade, uma saída de si rumo à humanidade, rumo aos problemas que afetam sua comunidade.

Será que existe, do ponto de vista político e fundamentalmente cristão, uma forma mais preciosa de praticar a caridade com os outros? Pensemos por exemplo numa comunidade onde não passa o saneamento básico, esgoto a céu aberto, raiz de doenças e as pessoas motivadas pela cidadania, pela caridade e pela dignidade humana buscam resolver a questão coletivamente. É interessar-se pela qualidade da vida, da vida em abundância que Jesus Cristo proclamou e viveu e testemunhar uma espiritualidade do seguimento.

 Publicado originalmente no Jornal O Povo: http://www.opovo.com.br/app/opovo/espiritualidade/2012/10/13/noticiasjornalespiritualidade,2936382/a-politica-e-a-caridade.shtml

 

 

 

 

 

 

 

 

* Pe. Almir Magalhães é padre da Arquidiocese de Fortaleza, Reitor do Seminário Arquidiocesano de Teologia e Diretor da Faculdade Católica de Fortaleza.

 

 

Compartilhe

Subir

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Na celebração do I Dia Mundial dos Pobres Arquidiocese lança a 9ª Festa da Vida

Lutero e sua marca na História

Inauguração da Centro de Evangelização do Shalom Bela Vista

Papa Francisco pede fim de armas nucleares

Presidente da CNBB foi nomeado pelo Papa Francisco como Relator Geral do Sínodo 2018


QR Code Business Card