Atualidades

A maravilha da criação: homem e mulher

A pessoa humana, segundo a vontade de Deus-Pai, deveria estar no centro das ações e decisões tomadas pelos que detêm o destino do mundo. Aos 5 de novembro de 2016, o Sumo Pontífice, ao se encontrar com cerca de 5 mil membros dos Movimentos Populares que foram a Roma para o seu 3º Encontro Mundial subordinado ao tema “Trabalho, Teto, Terra”, falou com clareza, e sem deixar dúvida, do seu desejo diante da realidade dolorosa do mundo: “Devemos lembrar-nos diariamente desta injustiça: num mundo rico em recursos alimentares, também graças aos enormes progressos tecnológicos, são demasiados aqueles que não têm o necessário para sobreviver”.

A espiritualidade de Francisco de Assis, encarnada no Papa Francisco, é em busca por uma Igreja solidária e sensível ao clamor dos que sofrem e que passam por tribulações humanas e espirituais. O compromisso com uma Igreja que não se distancia da profecia, que não tem medo de abraçar por inteiro o Evangelho de Jesus, no que asseverou o Bispo de Roma: “Vê-se nos ‘olhos das crianças’ nos campos de refugiados a ‘bancarrota da humanidade’, pela qual se faz pouco para salvar, mas, se for a bancarrota de um banco, imediatamente se procura salvar”. A maior vergonha do mundo, segundo Francisco, “é salvar bancos, e não pessoas”. Aqui vale lembrar o pastor da paz e da ternura, Dom Helder Câmara, que, com grande sabedoria, dizia que tinha pena dos empobrecidos, dos sem-abrigo, e mais pena ainda sentia dos instalados e enraizados, como se este mundo fosse morada permanente.

No Cântico das Criaturas, vemos um Francisco de Assis amando e respeitando a criatura humana e, ao mesmo tempo, protegendo animais e plantas, chamando-os, com a elevada ternura, de irmãos e irmãs. A chuva, o vento, o fogo e tudo o mais, para ele, deveriam ser carinhosamente tratados e respeitados como irmãos. Fica fácil de compreender o porquê da figura humana mais importante e atraente do milênio passado, ele que foi e é conhecido em todo o planeta. Percebemos a necessidade sempre maior, a partir do Poverello de Assis e do Papa Francisco, de que o sonho de um mundo verdadeiramente de irmãos, tendo por base a fé e a esperança, tem que ser vivenciado dentro de uma nova visão, a ponto de se notar a diferença, no exemplo daquele que foi ao extremo, desceu e foi às raízes. Como é enorme a fome de esperança profética do Papa Francisco! Restaurar “a casa comum” é seu grande compromisso, uma vez que dela depende a vida como um todo.

Que a humanidade faça uma  generosa reflexão, olhando para a realidade gritante do planeta, quando o Santo Padre denuncia a fome como um grande escândalo, falando com clareza de um sistema terrorista, ao extremo de “expulsar a maravilha da criação: o homem e a mulher”, cedendo lugar ao dinheiro.

Padre Geovane Saraiva

*Pároco de Santo Afonso e vice-presidente da Previdência  Sacerdotal, integra a  Academia Metropolitana de Letras de Fortaleza – geovanesaraiva@gmail.com

geovane200

Compartilhe

Subir

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Segundo Encontro com os Secretários Paroquiais da Região Episcopal Sertão São Francisco das Chagas

Nota de falecimento de padre Gerardo H. Van Rooyen

Liturgia Diária: Evangelho – Mt 7,6.12-14

Papa: cristão não precisa de horóscopo, aberto às surpresas de Deus

A herança missionária de Pedro

QR Code Business Card