Atualidades

A fundamentação do Dízimo

Recentemente a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil publicaram um livrinho de quarenta e quatro páginas titulado “O Dízimo na Comunidade de Fé: Orientações e Propostas”. Este livro será de grande utilidade para os párocos da Nossa Arquidiocese e presta esclarecimentos importantes para os fiéis dizimistas. O dízimo é definido no livro  assim: Por meio do dízimo, que é uma contribuição motivada pela fé, os fiéis vivenciam a comunhão, a participação e a corresponsabilidade na evangelização”. É realmente uma contribuição sistemática e periódica dos fiéis, através da qual a comunidade assume corresponsavelmente sua sustentação e a da Igreja.

O sistema da contribuição do dízimo tem quatro características: a) É relacionado com a experiência de Deus e com o amor fraterno;  b) É um compromisso moral dos fiéis com a Igreja; c) É fixado de acordo com a consciência retamente formada; e d) É sistemático e periódico. É importante lembrar que a escolha da quantia de dinheiro destinada para o dízimo é decisão de consciência, iluminada pela Palavra de Deus, sensível às necessidades da Igreja e do próximo.

Os fundamentos bíblicos do dízimo são apresentados no livro em seis páginas e meia. São citados textos do Antigo além do Novo Testamento. O dízimo está vista sob outros prismas nessas páginas. Por exemplo: nos profetas, na prática da religião judaica no tempo de Jesus, nos textos sobre a partilha dos bens, nos escritos paulinos e especialmente nos textos do Novo Testamento. Além disso, o livro recorda para nós que o quinto mandamento dos Mandamentos da Igreja nos obriga a “ajudar a Igreja em suas necessidades”, com o esclarecimento que cada fiel o faça “conforme as próprias possibilidades”. O texto fala das finalidades do dízimo assim: “ Organizar o culto divino, prover o sustento do clero e dos demais ministros, praticar obras de apostolado, de missão e de caridade, principalmente em favor dos pobres”. Assim o texto está em perfeita sintonia com o Código de Direito Canônico que estabelece que todos “os fiéis têm obrigação de socorrer as necessidades da Igreja” (cf. Cân. 222. 1).

O segundo capítulo do livro trata de orientações para a pastoral do dízimo. Este capítulo aborda cinco temas: a) A implantação do dízimo; b) A organização e o funcionamento da Pastoral do Dízimo; c) Os agentes da Pastoral do Dízimo; d) O dízimo da Pastoral de Conjunto; e) A motivação permanente. Estes temas são de grande importância para os padres e os agentes da Pastoral do Dízimo. Segundo o livro estas orientações e propostas são oferecidas às nossas comunidades como uma referência em seu empenho de conversão pastoral e de renovação comunitária. (Fonte: Doc. da CNBB, 106).

Pe. Brendan Coleman Mc Donald, Redentorista e Assessor da CNBB Reg. NE1

padre-Brendan200

Compartilhe

Subir

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Evangelho – Lc 11,14-23

Mausoléu do Padre Ângelo Custódio, em Redenção Ce, completa 81 anos!

Tríduo Dom Óscar Romero na Comunidade São José do Parque Santa Rosa

Cardeal Hummes lança livro na Católica de Fortaleza em parceria com a Livraria Paulus 

Papa Francisco nomeia bispo coadjutor para Montenegro (RS)

QR Code Business Card