Atualidades

[ARTIGOS] Quinze anos sem Dom Helder

geovane160Padre Geovane Saraiva*

Dom Helder, como profeta, sempre pregou e anunciou uma Igreja simples, longe de uma estrutura pesada, conforme o espírito do Evangelho: “As raposas têm tocas, as aves do céu, ninhos; mas o Filho do Homem não tem onde inclinar sua cabeça” (Mt 8, 22), voltada para os empobrecidos, sem jamais se esquecer de seu ardente desejo, o de construir a paz, associado ao grande sonho do Criador e Pai, pela força da ternura e da não violência. Aos 27 de agosto de 1999, após completar noventa anos, vividos e bem vividos, Dom Helder Câmara partiu para a casa do Pai. Obstinado, na sua luta, fortificado pela graça de Deus, nos projetos e sonhos de um mundo solidário, por onde passou, mesmo tendo que ir para o ostracismo, ficando no isolamento e sendo excluído dos meios de comunicação social, durante o regime militar, que o via como um risco e um perigo à democracia, permanecendo sempre determinado e corajoso, sem jamais desanimar. Daí nossa ação graças ao bom Deus pelas marcas indeléveis, deixadas pelo artífice e protagonista da paz.

Como é importante recordar sua formação sacerdotal, com o ingresso no Seminário da Prainha em 1923 – Fortaleza – CE, então, confiado aos padres lazaristas. Nesta instituição cursou e concluiu os estudos eclesiásticos, tendo sido ordenado sacerdote aos 15 de agosto de 1931, com 22 anos de idade, recebendo autorização especial da Santa Sé, por não possuir a idade canônica. Sem perder tempo, no mesmo ano fundou a Legião Cearense do Trabalho; em 1933 fundou a Sindicalização Operária Feminina Católica, que congregava as lavadeiras, passadeiras e empregadas domésticas; atuou na área da educação, participando de políticas governamentais do estado do Ceará, na área da educação pública; militou ativamente da Liga Eleitoral Católica (LEC) e foi nomeado diretor do Departamento Estadual de Educação do Estado do Ceará. Transferido em 1936 para a cidade do Rio de Janeiro, então capital da república; na cidade maravilhosa não parou, além de dedicar-se intensamente às atividades apostólicas, foi nomeado Diretor Técnico do Ensino da Religião no Ministério da Educação.

No Rio de Janeiro bebeu água de uma fonte rica e preciosa, me refiro aos préstimos do jesuíta Pe. Leonel Franca, como seu diretor espiritual, criador da primeira Universidade Católica do Brasil – a Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Tudo concorreu, por vontade do bom Deus, que se antecipasse, em ideias e atitudes concretas, na luta por justiça e paz, querendo a “restauração de todas as coisas e Cristo” (cf. At 3, 21), a partir do aggiornamento promovido pelo Papa João XXIII e com o qual iria revolucionar, não apenas a Igreja, mas o nosso mundo hodierno – É o sonho de esperança do Concílio Vaticano II! Pense numa vida espetacular, nos seus gestos de falar com entusiasmo, frases e pensamentos, do mais íntimo do íntimo, profundamente marcados pelo otimismo, ao afirmar: “Esperança é crer na aventura do amor, jogar nos homens, pular no escuro, confiando em Deus”.

Jamais deixou de ter diante dos olhos e sonhava ardentemente com uma Igreja despojada, pobre e servidora. Daí ser signatário do “Pacto das Catacumbas”, de 16 de novembro de 1965, que foi uma excelente oportunidade para os bispos pensarem e refletirem sobre eles mesmos, no sentido de fazer uma experiência do amor de Deus, enriquecida de uma vida com marcas da simplicidade e desapego dos bens deste mundo, numa Igreja encarnada na realidade, comprometida com o povo, renunciando as aparências de riqueza, dizendo não as vaidades, consciente da justiça e da caridade, através desse documento desafiador. Repito o que alhures já disse inúmeras vezes: “Eu sou daqueles que tem a convicção de que os escritos de Dom Helder ainda serão fonte de inspiração na América Latina, daqui a mil anos. Ele lançou sementes destinadas a produzir uma messe abundante nesta época do cristianismo que está começando agora. Suas sucessivas conversões, sinalizando de certa maneira, a futura trajetória da Igreja neste momento da história da humanidade” (Teólogo José Comblin).

Concluo com as palavras daquele que disse: “Gostaria de ser uma poça d’água para refletir o céu”; já o papa Paulo VI, seu amigo de fé, o tinha como “um místico e apóstolo”. Sua vocação precoce ao sacerdócio, mas segura e convicta, se manifestou aos oito anos de idade, nas suas próprias palavras: “Não posso nem imaginar ser alguma coisa na vida além de padre. Ser um padre, para mim, não é uma escolha. É um modo de vida. Ser padre nunca me provocou arrependimento. Celibato, castidade, a ausência de uma família do modo como os leigos a entendem – tudo isso nunca foi um peso. Há os que nasceram para cantar, jogar futebol, escrever (…). E há os que nasceram para ser padres”.

*Padre da Arquidiocese de Fortaleza, escritor, colunista, blogueiro, membro da Academia Metropolitana de Letras de Fortaleza, da Academia de Letras dos Municípios do Estado Ceará (ALMECE) e Vice-Presidente da Previdência Sacerdotal – Pároco de Santo Afonso – geovanesaraiva@gmail.com

 

Compartilhe

Subir

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Grande Concerto de Natal na paróquia de São João Batista do Tauape.

Ordenações Diaconais na Catedral Metropolitana de Fortaleza dia 21 de dezembro

Dom Aloísio em nossos corações

Papa: a boa política está ao serviço da paz

Entrevista: CF 2019 – A felicidade humana como horizonte das Políticas Públicas


QR Code Business Card