Atualidades

[ARTIGOS] A pena de morte

padre-Brendan200A chocante morte do brasileiro Marco Archer, apesar dos esforços herculanos da nossa Presidenta Dilma e o iminente fuzilamento de outro brasileiro, Rodrigo Gularte, além das recentes decapitações do japonês Kenji Goto e outros realizados pelo Estado Islâmico têm reacenderam o debate sobre a legalização e a eficácia deste método punitivo. Vários paroquianos têm me perguntado sobre a posição da Igreja Católica perante a pena de morte.  Alguns deles ficaram preocupados com o que está escrito no número 2267 do Catecismo da Igreja Católica. Nessa referência o Catecismo afirma: “O ensino tradicional da Igreja não exclui, depois de comprovadas cabalmente a identidade e a responsabilidade do culpado, o recurso à pena de morte, se essa for a única via praticável para defender eficazmente a vida humana contra o agressor injusto”.

A Igreja Católica, na prática, está contra a pena de morte; tanto assim, que a cada caso de condenação à pena de morte nos Estados Unidos da América, o Papa pede clemência, apesar do fato que pouco adiantou. Lembro claramente a posição do Vaticano contra a pena de morte de Saddam Hussein em 2006. Naquela ocasião o porta voz do Vaticano,  Pe. Frederico Lombardi, S.J., reiterou a posição da Igreja Católica contra a pena de morte. Na Idade Média, Santo Tomás de Aquino aceitava a pena de morte, mas somente em “casos de extrema gravidade”. Porém, nos casos em apreço atualmente é difícil ver extrema gravidade. Uma pesquisa realizada em setembro, próximo passado, pelo Datafolha, mostrou que 43% dos brasileiros apoiam a pena de morte. O coordenador do Programa de Justiça da ONG Conecta Rafael Custódio, disse: “Há um conceito vulgarizado de que, quanta mais dura for a resposta da Justiça, mais segura será a sociedade e com isso a população passa a enxergar na execução uma medida necessária”.

Países que têm a pena de morte usam vários métodos de execução. Entre os quais podemos citar: cadeira elétrica, enforcamento, injeção letal, fuzilamento, decapitação e apedrejamento. A pena de morte está sendo justificada em alguns países onde o governo alega: a) a execução serve  como exemplo para outros criminosos cometendo o mesmo crime; b) Evita o gasto de recursos exorbitantes para reintegrar infratores ao convívio social; c) a pena de morte ajudaria a reduzir a  lotação nos presídios, facilitando assim a recuperação dos presos recuperáveis; d) alguns países pobres não têm estrutura carcerária para recuperar presos de alta periculosidade etc. Os 57% da população brasileira se posicionou contra a pena de morte alegando:  a) o Estado de Direito prevê o direito à vida; b) é uma pena irreversível em caso de erro judicial; c) é melhor investir em reinserção para o condenado; d) mostra que o sistema carcerário é incapaz de recuperar infratores etc. Uma execução capital é sempre uma notícia trágica, motivo de profunda tristeza para os familiares  e conhecidos do condenado.  A morte do culpado (ou inocente!) não é o caminho para reconstruir a Justiça e reconciliar à sociedade. A Igreja Católica reiterou várias vezes que é contra a pena de morte.

                                                            Pe. Dr. Brendan Coleman Mc Donald,  Redentorista e Assessor da CNBB Reg. NE1

 

Compartilhe

Subir

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Grande Concerto de Natal na paróquia de São João Batista do Tauape.

Ordenações Diaconais na Catedral Metropolitana de Fortaleza dia 21 de dezembro

Dom Aloísio em nossos corações

Papa: a boa política está ao serviço da paz

Entrevista: CF 2019 – A felicidade humana como horizonte das Políticas Públicas


QR Code Business Card