Atualidades

[ARTIGOS] O triunfo do servo fiel e obediente

geovane200Padre Geovane Saraiva*

Na mensagem de Páscoa (20/04/2014) o Papa Francisco se expressou assim: “Jesus, o Amor encarnado, morreu na cruz pelos nossos pecados, mas Deus Pai ressuscitou-o e fê-Lo Senhor da vida e da morte. Em Jesus, o Amor triunfou sobre o ódio, a misericórdia sobre o pecado, o bem sobre o mal, a verdade sobre a mentira, a vida sobre a morte”. Que a nossa reflexão desta Semana Santa de 2015 tenha por base o Evangelho segundo São João, no supremo gesto revelador do Filho de Deus, na doação, na renúncia e na generosidade: “Jesus levantou-se da mesa, tirou o manto, pegou uma toalha e amarrou-a na cintura. Derramou água numa bacia e começou a lavar os pés dos discípulos, enxugando-os com a toalha com que estava cingido” (cf. Jo 13, 4-5). Depois Jesus explicou o gesto: “Dei-vos o exemplo, para que façais a mesma coisa que eu fiz” (cf. Jo 13,15).

E qual é realmente o significado de “pegar uma toalha e lavar os pés?” Jesus, sendo Deus assumiu a forma de servo, isto é, tornou-se pobre e humilde e colocou-se a serviço da humanidade. O Santo Padre nos responde: “Há tanta gente necessitada que lhes ‘lavemos os pés’. É bem possível que bem perto tenha gente assim. Pessoas necessitadas que ‘lavemos seus pés’ ouvindo-as, aceitando-as como são, ajudando-as para que cresçam e não as discriminando. A situação do mundo, imerso em tantos problemas, é prova de que ainda, dois mil anos depois, não somos capazes de  ‘lavar os pés’ dos nossos irmãos. Comungamos o Corpo e o Sangue do Senhor, mas não o transmitimos o suficiente nem aos mais próximos” (17/04/14).

O Augusto Pontífice, nesses dois anos de pontificado, tem sido exaustivo nos exemplos, indicando que nós cristãos (discípulos do Senhor) somos convidados a assumir também uma postura de humildade, no serviço e  no despojamento, colocando-nos ao lado do povo aflito, frágil e sofredor: os pobres, os doentes, os fracos, os presos. Também os que sobram e são excluídos e mesmo nem visto são, numa sociedade hedonista e consumista, que se diz cristã. A humanidade precisa ter clareza e colocar bem diante dos olhos e no coração a lei de Nosso Senhor Jesus Cristo, a Nova Lei: “Que vos ameis uns aos outros como eu vos amei” (cf. Jo 13,34).

No consumismo somos desafiados pela lei da concorrência. Quando falta o amor e a amizade, nenhuma lei civil, nenhum ordenamento jurídico é suficiente. Mas quando a velha Igreja se reveste de amor, de um solidarismo profundamente fraterno, então se apresenta nova e fecunda, cheia de graça, concretamente abraçada com a missão de irradiar a Boa Nova da Salvação e jamais  perde de vista os empobrecidos: “Eu vos asseguro: o que fizestes a estes meus irmãos, a mim o fizestes” (cf. Mt 25,40).

Nesta semana santa, eu Pe. Geovane Saraiva, ficarei cingido com uma toalha na liturgia da quinta-feira, para lavar os pés de pessoas de nossa Paróquia de Santo Afonso Maria de Ligório. É claro que vem a pergunta de diversas pessoas: ele estará disposto a ser Cirineu, a ajudar alguém a carregar a Cruz; ou a exemplo de Verônica a enxugar o suor, a aliviar os sofrimentos de inúmeras pessoas? Deus nos dê a graça de mais e melhor compreendermos o insondável mistério do qual somos chamados a participar, sem jamais esquecer de nos colocarmos solidários ao pé da Cruz, identificados com Maria e o discípulo amado. Numa prece fervorosa, peçamos o convencimento de que é só no amor encontramos a explicação plausível do que Deus realizou e realiza sempre por cada um de nós, e por toda a humanidade. “Ninguém tem maior amor do que aquele que dá a sua vida pelos seus amigos” (cf. Jo 15, 13).

Quando na Sexta-Feira da Paixão o sacerdote, presidente da celebração, prostra-se diante do altar, em um inexprimível simbolismo de reverência, humildade e penitência, no início da celebração da Paixão do Senhor, ele quer transmitir um forte e expressivo gesto de amor, que não se explica com palavras e muito menos com a razão. É como diz Dom Helder Câmara: “Que eu possa aprender afinal, cobrir de véus o acidental e efêmero, deixando em primeiro plano, apenas, o mistério da redenção”. Entende-se a partir de uma excelsa mística, identificando-a na importância do silêncio, concentração, meditação e oração, com grandiosa fé diante do mistério, no qual o Filho de Deus se antecipa na glória. Com a escuta atenta da música litúrgica e apropriada para a celebração da paixão do Senhor somos convidados a refletir: “Eu me entrego, Senhor, em tuas mãos, e espero pela tua salvação”. Assim seja!

*Escritor, blogueiro, colunista, vice-presidente da Previdência Sacerdotal e Pároco de Santo Afonso, Parquelândia, Fortaleza-CE – geovanesaraiva@gmail.com

Compartilhe

Subir

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Papa na Audiência Geral: Natal, revanche da humildade sobre a arrogância

CNBB produz Documentário especial de fim de ano sobre ‘Igreja em Saída’

Grande Concerto de Natal na paróquia de São João Batista do Tauape.

Ordenações Diaconais na Catedral Metropolitana de Fortaleza dia 21 de dezembro

Dom Aloísio em nossos corações


QR Code Business Card