Atualidades

[Artigos] Francisco: o céu inicia na comunhão com Jesus

Por Padre Geovane Saraiva*

geovane200A Eucaristia é Jesus mesmo que se doa por inteiro a seu povo. Alimentar-se dele, mistério inefável,  quer dizer habitar nele mediante a comunhão eucarística, acolhida com muita fé. A partir do Filho de Deus, pão descido do céu, a vida das pessoas, evidentemente, se transforma em dom para Deus e para os irmãos. Alimentar-se daquele “Pão da Vida” significa entrar em sintonia com o coração de Cristo e colocar na mente e no coração seu projeto de amor para com a humanidade, nas palavras do Papa Francisco logo no início do seu pontificado (17/03/2013): “Sejam mais indulgentes e não tão apressados em condenar as falhas dos outros; um pouco de misericórdia torna o mundo menos frio e mais justo”. Isso significa verdadeiramente entrar em comunhão com Deus, como criaturas transformadas, alegres e felizes, homens e mulheres de paz,  perdão, reconciliação e partilha solidária, associados ao amor salvífico de Deus,  no exemplo do Salvador da humanidade.

Como é importante fixar na mente que, na celebração da missa, as espécies se conservam inalteradas. É o íntimo, é o interior humano que deve tornar-se outro, ser transformado. Só mesmo renovados pelo Corpo e Sangue de Cristo podemos rezar, a exemplo do Papa Francisco: “Como seria belo se cada um de vós pudesse ao fim do dia dizer: ‘Hoje realizei um gesto de amor pelos outros!’” (30/04/2013). Nas celebrações eucarísticas, temos o procedimento, final do ofertório, de lavar as mãos, que é chamado, em latim, de “lavabo”, indicando que as mãos dos sacerdotes são lavadas em sinal de purificação e inocência (cf. Sl 26, 6). O gesto do sacerdote, enquanto presidente da assembleia, é realizado também em nome dos fiéis presentes, a partir do nosso bom Deus, que nos ama de modo incondicional, convencendo-nos, na sua bondade e infinita graça, que somos criaturas novas e transformadas ou transubstanciadas, sobretudo a partir do nosso ser interior.

Dom Helder Câmara, em uma vida de profunda intimidade com o Pai, ensina-nos o verdadeiro sentido das celebrações eucarísticas: “Havia tanta emoção nas palavras da consagração que o vimos muitas vezes chorando ao celebrar a Missa. E sempre repetia com toda convicção que o verdadeiro celebrante da Missa é Nosso Senhor Jesus Cristo” (cf. Pe. João Carlos Ribeiro). O gesto de lavar as mãos expressa o desejo de purificação interior do sacerdote e da assembleia, povo de Deus, dizendo em silêncio: “Lavai-me, Senhor, das minhas faltas e purificai-me do meu pecado”. Daí a purificação externa expressa uma profunda e forte simbologia de mudança, na qual, e é bom que fique claro, quer envolver e atingir o interior das pessoas que participam da celebração, pessoas novas e transubstanciadas no milagre eucarístico.

O Pão da Vida foi o tema da alocução do Papa Francisco (16/08/2015), que sempre precede a oração do Angelus,  tendo como palavra-chave:  “O céu começa com esta comunhão com Jesus, tornamo-nos como Jesus”. Falou o Augusto Pontífice da importância do sim com adesão de fé, diante da pouca fé e da objeção em relação à Santa Missa: “Mas para que serve a Missa? Eu vou na Igreja quando sinto vontade, rezo melhor sozinho. Mas a Eucaristia não é uma oração privada ou uma bonita experiência espiritual, não é uma simples comemoração daquilo que Jesus fez na Última Ceia. Nós dizemos, para entender bem, que a Eucaristia é ‘memorial’, ou seja, um gesto que atualiza e torna presente o evento da morte e ressurreição de Jesus: o pão é realmente o seu Corpo oferecido por nós, o vinho é realmente o seu Sangue derramado por nós”.

Diante do acima citado, agradeço ao bom Deus os  meus 27 anos de sacerdócio, pelas mãos de  Dom Aloísio Cardeal Lorscheider (14/08/1988), sem nunca esquecer o desejo de viver a sedução de Deus no profeta Jeremias: “Tu me seduziste, Senhor, e eu me deixei seduzir” (Jr 20, 7), igualmente, a frase de São Francisco de Sales, grande místico e mestre na escola de espiritualidade da Igreja: “Fazer-se tudo para todos”. Por onde passei, dentro das minhas limitações, pude contribuir, procurando animar os desanimados, na esperança de que somos peregrinos do absoluto, em meio às coisas passageiras, a caminho do definitivo, da glória futura, da vida junto de Deus, na lição persistente do Servo de Deus, Helder Câmara: “É graça divina começar bem, graça maior é persistir na caminhada, mas a graça das graças é não desistir nunca”.

*Escritor, blogueiro, colunista, vice-presidente da Previdência Sacerdotal e Pároco de Santo Afonso, Parquelândia, Fortaleza-CE – geovanesaraiva@gmail.com

Compartilhe

Subir

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

D. Fisichella nos 25 anos da Veritatis Splendor: quem critica o Papa não é fiel à tradição católica

Papa: não se pode acreditar em Deus e ser mafioso

As dores da humanidade

Encontro do CNLB reúne juventudes do país dentro do contexto do Sínodo de 2018

Programação da Visita Pastoral em Antonio Diogo

Encontro da PASCOM na Região Bom Jesus dos Aflitos


QR Code Business Card