Atualidades

[ARTIGOS] Aniversário do artesão da paz: Viva a memória de Dom Helder!

Padre Geovane Saraiva*

geovane200Dom Helder Câmara, impoluta figura humana, procurou edificar a casa de Deus, isto é, a Igreja, tendo como alicerce sólido o bem e a justiça, não cedendo às ciladas dos injustos e poderosos, dizendo: “Ai da estrada que, em lugar de facilitar a caminhada, prendesse a si quem quisesse atravessá-la; papel da estrada, como é o nosso, é ajudar a caminhar e não parar, a seguir”. Consagrado sacerdote, com as palavras de Deus em sua boca, andou pela verdadeira estrada real, seguro e consciente da construção do reino de Deus, que é o reino da verdade e da vida, da santidade e da graça, da justiça, do amor e da paz.

Nada mais justo do que a antiga Estrada Real ou caminho imperial ter sida transformada em Avenida Dom Helder Câmara; também chamada caminho dos Jesuítas ou caminho das Minas, a qual ligava o município da Corte a Sepetiba, passando pela entrada da Fazenda Imperial de Santa Cruz, a partir do decreto do então prefeito da cidade do Rio de janeiro, Luis Paulo Conde (1997/2001). A antiga Avenida Suburbana é um dos principais eixos da Zona Norte do Rio de Janeiro. Com aproximadamente onze quilômetros, ligando o bairro de Benfica ao de Cascadura, cortando, além destes, os bairros do Jacarezinho, Maria da Graça, Del Castilho, Cachambi, Engenho de Dentro, Pilares, Abolição, Piedade e Quintino Bocaiúva.

Rendamos graças ao bom Deus, ao perceber a importância desta estrada real, batizada com o nome Dom Helder Câmara, o pastor que lutou com todas as forças, pelo anúncio transformador e consequente de instaurar o reino de Deus, no inefável desejo de submeter ao  poder supremo toda criatura humana. Agora, por ocasião do seu aniversário de nascimento (07/02/1909-1999), guardemos no íntimo do coração a mensagem de otimismo e esperança, deixada por Dom Helder Câmara, o artesão da paz e cidadão do mundo, o bispo brasileiro mais influente no Concílio Vaticano II, ao abrir o caminho para a renovação, revestido da veste de sua mais profunda e autêntica coerência em favor dos pobres: “Se não engano, nós, os homens da Igreja, deveríamos realizar dentro da Igreja as mudanças que exigimos da sociedade”.

Como é maravilhoso recordar a vida do idealizador e fundador (juntamente com outros religiosos) da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), sem jamais esquecer sua grande empreitada na defesa dos direitos humanos durante o regime militar brasileiro. Anunciava a palavra de Deus, na fidelidade ao seu projeto de amor, sonhando com uma Igreja caracterizada pelo despojamento e simplicidade, ao mesmo tempo, pafífica e voltada para os empobrecidos. Por sua atuação, recebeu diversos prêmios nacionais e internacionais. Foi o único brasileiro indicado quatro vezes para o Prêmio Nobel da paz. Foi ele quem afirmou: “O Espírito de Deus envia sonhos ao homem! Não sonhos enganosos, alienados e alienantes. Envia sonhos, belos sonhos que, amanhã, se transformem em realidade”.

Ele foi indizível e inexprimivelmente superior à realidade humana, a ponto de exprimir com extraordinária paixão e numa tonalidade poética que Deus é amor: “Fomos nós, as tuas criaturas que inventamos teu nome!? O nome não é, não deve ser um rótulo colado sobre as pessoas e sobre as coisas… O nome vem de dentro das coisas e pessoas, e não deve ser falso… Tem que exprimir o mais íntimo do íntimo, a própria razão de ser e existir da coisa ou da pessoa nomeada… Teu nome é e só podia ser amor”.

Quando assumiu a Arquidiocese de Olinda e Recife, em abril de 1964, afirmou: “Ninguém se escandalize quando me vir ao lado de criaturas humanas tidas como indignas e pecadoras (…); quem estiver sofrendo, no corpo ou na alma; quem, pobre ou rico, estiver desesperado, terá lugar especial no coração do bispo”. Dom Helder além de deixar uma gigantesca obra escrita, com grande sabedoria soube unir, numa síntese raríssima e feliz, o místico e o homem da ação, que contemplava e escrevia ao mesmo tempo durante as madrugadas e agia pela manhã, tarde e noite. Foi um articulador da melhor qualidade; dotado de uma fé clamorosa, de uma enorme capacidade de comunicação, força e convicção inabaláveis, que saía de dentro do peito magro, daquele homem baixo e franzino na estatura, que mais parecia um retirante de Portinari.

Profeta dos pobres, artesão da paz, cidadão do mundo, o homem dos grandes sonhos e das grandes utopias ele o foi, a sinalizar uma verdadeira conversão, nas mudanças dos costumes, no sentido de uma melhor compreensão da Igreja, na busca de sua renovação, do seu rejuvenescimento – ao verdadeiro “aggiornamento”, ao mesmo tempo, em que devia anunciar a pessoa de Jesus Cristo, diante do clamor dos empobrecidos, dos “sem voz e sem vez”. O grande ardor e entusiasmo desse homem, em todo seu trabalho bem articulado, no amor pela Igreja pobre e servidora, nunca podemos nem negar e nem esquecer as palavras do teólogo José Comblin: “Sou daqueles que tem a convicção de que os escritos de Dom Helder ainda serão fonte de inspiração na América Latina, daqui a mil anos”.

*Escritor, blogueiro, colunista, vice-presidente da Previdência Sacerdotal e Pároco de Santo Afonso, Parquelândia, Fortaleza-CE – geovanesaraiva@gmail.com

 

 

Compartilhe

Subir

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

D. Fisichella nos 25 anos da Veritatis Splendor: quem critica o Papa não é fiel à tradição católica

Papa: não se pode acreditar em Deus e ser mafioso

As dores da humanidade

Encontro do CNLB reúne juventudes do país dentro do contexto do Sínodo de 2018

Programação da Visita Pastoral em Antonio Diogo

Encontro da PASCOM na Região Bom Jesus dos Aflitos


QR Code Business Card