Atualidades

A consciência moral

padre-Brendan200A palavra consciência vem do latim cum (juntos) e sciência, scire (conhecer). A consciência é a faculdade moral da pessoa, o núcleo íntimo e o santuário em que ela se conhece pelo confronto com Deus e com seus semelhantes (cf. Livres e Fiéis em Cristo, B. Haering, Paulinas, 1979, Vol. 1 p.208). A consciência moral, segundo o Catecismo da Igreja Católica, é um julgamento da razão pelo qual a pessoa humana reconhece a qualidade moral de um ato concreto que planeja que está a ponto de executar ou que já praticou (cf. op.cit. No. 1978 p.481). Em tudo o que diz e faz, o homem é obrigado a seguir fielmente o que sabe ser correto e justo.

A consciência moral compreende a percepção dos princípios da moralidade, sua aplicação a circunstâncias específicas por uma determinada prática da razão. Neste caso há pessoas que usam a palavra “sindérese” que vem do grego “synderesis” e que é a faculdade natural de julgar com retidão e com bom senso. Teologicamente, talvez possamos dizer que é o estado de contrição da alma, quando compara o que é com o que devria ser. Santo Tomás de Aquino ensinou que toda criança nasce com uma inata capacidade de distinguir o bem e o mal. Trata-se de uma “tendência natural” chamada sindérese na tradição filosófica e teológica (cf. Suma Teológica, Tomas de Aquino, 1, q79, a,12, resp.).

A formação da consciência é de enorme importância. A consciência deve ser educada e o juízo moral esclarecido. A educação da consciência é uma tarefa de toda a vida. A educação adequada da consciência preserva a pessoa do medo, do egoísmo, do orgulho, dos sentimentos de culpabilidade oriundos da fraqueza e das faltas humanas. Sobretudo, uma consciência bem formada garante a liberdade e é a fonte da paz. Diante de uma escolha moral obviamente a consciência de uma pessoa pode emitir um julgamento correto de acordo com a razão, ou um julgamento errôneo que se afasta da razão. Quando nós emitimos um julgamento baseado na nossa consciência moral devemos exercer muita prudência. Existem algumas “normas” para nos orientar nesta área. São: “a) Não é permitido nunca praticar um mal para que daí resulte um bem; b) Tudo aquilo que quereis que os outros vos façam, fazei-o vós a eles”. A caridade respeita sempre o próximo e sua consciência (cf. op. cit. No. 1789).

Obviamente a consciência moral, por causa de ignorância, pode fazer um julgamento errôneo. Neste caso se a pessoa é responsável pela ignorância (ignorância vencível), é responsável também pelo mal que comete. Se a pessoa não for culpada pela ignorância (ignorância invencível), então o mal cometido pela pessoa não lhe poderá ser imputado.

Pe. Dr. Brendan Coleman Mc Donald, Redentorista e Assessor da CNBB Reg. NE1.

Compartilhe

Subir

1 Comentário »

1 Comentário »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Missa em Homenagem as pessoas com Síndrome de Down

Igreja e Política

Monjas Concepcionistas

Religiosa Concepcionista emite votos na solenidade de São José

ciclo de estudo

Segundo dia do Ciclo de estudos da Campanha da Fraternidade 2019

padre anízio

Missa de Posse do novo reitor e pároco do santuário no próximo dia 10/04


QR Code Business Card