Fevereiro 2019 | Arquidiocese de Fortaleza

Publicado em 28/02/2019 por João Augusto

Fortaleza recebe visita da Coordenação Nacional da Pastoral do Migrante

A Pastoral dos Migrantes da Arquidiocese de Fortaleza esteve reunida  nesta quinta feira, 27 de fevereiro de 2019, no Centro de Pastoral Maria, Mãe da Igreja com o objetivo de dar continuidade ao tema acolhimento a Migrantes Refugiados Venezuelanos.

Estiveram presentes: Ari Alberti, da Coordenação Nacional do Serviço Pastoral dos Migrantes; Cáritas Arquidiocesana; Centro Magis e Dom Júlio César de Jesus, Bispo Auxiliar de Fortaleza.  Segundo Irmã Idalina Pellegrini, coordenadora da Pastoral dos Migrantes da Arquidiocese de Fortaleza, nos últimos dez meses foram acolhidos mais de 40 Venezuelanos em Fortaleza, assim sendo, é necessário fortalecer cada vez mais a rede de acolhimento para atender as demandas dos Refugiados.

O apelo é do Papa Francisco, sermos Igreja em Saída, acolher, proteger, promover e integrar, bem como, também de Jesus: “Eu era Migrante e você me acolheu”. Mt, 25

Publicado em 28/02/2019 por João Augusto

Lançamento da Campanha da Fraternidade 2019 na Arquidiocese de Fortaleza.

Campanha da Fraternidade 2019
Campanha da Fraternidade 2019

Todos os anos, desde 1964, a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) apresenta a Campanha da Fraternidade como caminho de conversão quaresmal. Um caminho pessoal, comunitário e social que visibilize a salvação paterna de Deus.

Fraternidade e Políticas Públicas” é o tema da Campanha de 2019.  A citação do profeta Isaías inspira o lema: “Serás libertado pelo Direito e pela Justiça” (Is 1, 27). 

A Campanha da Fraternidade ( CF 2019) tem como objetivo geral: “Estimular a participação em Políticas Públicas, à luz da Palavra de Deus e da Doutrina Social da Igreja, para fortalecer a cidadania e o bem comum, sinais de fraternidade ”.

 A abertura da CF 2019 será de acordo com a liturgia na quarta-feira de cinzas, dia 6 de março,  pois é o início da quaresma, tempo de preparação que antecede a Páscoa. Nesse dia, 6, às 18h30min, acontecerá na Catedral Metropolitana a celebração de abertura da CF 2019 presidida por Dom José Antonio Aparecido Tosi Marques, Arcebispo de Fortaleza.

Na quinta-feira, dia 7, às 9 horas, no Centro de Pastoral “Maria, Mãe da Igreja”, o  Arcebispo de Fortaleza, fará o lançamento da Campanha com a presença das autoridades da Igreja e da sociedade Cearense.  No final, Dom José Antonio atenderá a imprensa local.

O Centro de Pastoral “Maria, Mãe da Igreja” está localizado na Rua Rodrigues Júnior, 300 – Centro.

A mesa, nesse dia, será composta por Dom José Antonio Aparecido Tosi Marques, Arcebispo Metropolitano de Fortaleza, por Rafael dos Santos da Silva, Professor da Universidade Federal do Ceará, membro do Observatório de Políticas Públicas,  Graduado em Administração Pública  e Doutorando em Sociologia pela Universidade de Coimbra e por Padre Moésio Pereira de Sousa, sacerdote Redentorista, Bacharel em Teologia pela Faculdade Católica de Fortaleza, Mestre e Doutor em Teologia Moral pela Academia Afonsiana de Roma e atualmente coordenador do Departamento de Pós Graduação, Pesquisa e Extensão da FCF.

Informações com Marta Andrade, Setor de Comunicação da Arquidiocese de Fortaleza,  através do telefone (85) 99932.5491 ou (85) 99921-6742.

Publicado em 28/02/2019 por João Augusto

Comunidade Católica Shalom espera receber 36 mil pessoas no Renascer 2019

Renascer 2019
Renascer 2019

A Comunidade Católica Shalom se prepara para realizar de 3 a 5 de março, no Ginásio Paulo Sarasate, em Fortaleza, a 34ª edição do Renascer. Com o tema “Cristo é a nossa paz”, o retiro de espiritualidade traz uma programação variada com muita animação, música, fé e responsabilidade social como uma proposta de um carnaval diferente pra quem vai ficar na capital cearense.

Com entrada gratuita, o evento tem início às 8 horas da manhã.  Momentos de louvor e adoração compõem a programação. O ponto alto do evento é o Seminário de Vida no Espírito Santo, que leva o público a viver um momento único de experiência de fé e renovação. Estão confirmadas as participações do Padre Antônio Furtado, da missionária Gabriella Dias, nomeada pela Santa Sé para representar a América do Sul no Conselho para o serviço internacional da Renovação Carismática Católica, além de momentos de pregação com o fundador da Comunidade Shalom, Moysés de Azevedo, e a cofundadora, Emmir Nogueira. Estão previstas celebrações eucarísticas nos três dias do evento a partir das 17 horas. Dom Rosalvo e Dom Júlio, bispos auxiliares da Arquidiocese de Fortaleza, estão confirmados.

Programação

A programação do Renascer é voltada para públicos de várias idades.  E para ninguém ficar de fora, a Comunidade Shalom também prepara o Renascer Kids, com uma programação voltada para crianças de quatro a 12 anos com missas, catequese e brincadeiras.

Também como parte da edição de 2019, o Hemoce estará no local para realizar a coleta de sangue de doadores e cadastro para doação de medula óssea. Ano passado, foram coletadas 297 bolsas, superando 2016 que arrecadou 281 e 2017 com 223 unidades. Cada bolsa de sangue pode salvar até quatro vidas. A parceria já acontece há 16 anos e chega a 2019 com a meta de arrecadar 300 bolsas de sangue, destacando o compromisso social do Renascer. Além disso, os participantes poderão fazer a doação de 1 kg de alimento não perecível que será destinado às casas de promoção humana da Comunidade. Em 2018, o evento arrecadou 1,3 toneladas de alimentos não perecíveis. Um brechó também estará disponível para quem quiser adquirir roupas com preços acessíveis.

Padre Silvio Scopel, assistente local da Missão em Fortaleza, explica a razão do evento em 2019 levar o tema de Cristo como sendo fonte de paz. “Porque só Jesus Cristo nos enche de paz, de amor de alegria e faz com que nossa vida seja plena. O renascer está cheio de beleza, cheio de pessoas de Deus para comunicar a você que Cristo é a nossa paz, venha participar conosco”.

Cerca de dois mil voluntários da Comunidade estão envolvidos nos últimos ajustes do evento que espera receber 36 mil pessoas. Além de Fortaleza, o Renascer acontece na Região Metropolitana e em mais de 10 municípios cearenses. O evento também ocorre em cerca de 20 estados do País, organizados por missões da comunidade que se espalham pelo Brasil.

Serviço:


Renascer 2019 – “Cristo é a nossa paz”
Data: 3 a 5 de março de 2019
Horário: Das 8h às 18h30
Local: Ginásio Paulo Sarasate – R. Ildefonso Albano, 2050 – Centro. Fortaleza/CE

Entrada Gratuita

Renascer Kids 2019
Colégio Darwin – Rua: Ildefonso Albano, 1030 – Meireles.
Horário: Das 8h às 17h

Entrada Gratuita

Contato: (85) 3295.4583

Publicado em 28/02/2019 por João Augusto

Tolerância: uma questão de sobrevivência

O dia 16 de novembro foi instituído pela ONU como o “O Dia Internacional para a Tolerância”. A tolerância é uma atitude fundamental para quem vive em sociedade. Uma pessoa tolerante normalmente aceita opiniões ou comportamentos diferentes daqueles estabelecidos pelo meio sociais. Diariamente encontramos exemplos de intolerância. Encontramos na política, no trânsito, nas longas filas de pessoas esperando atendimento nas repartições públicas, nos jogos esportivos, em igrejas, em escolas, em profissões, e até em centros de detenção etc.

O que é que nós entendemos pela palavra tolerância?

Encontramos duas definições básicas nos dicionários: a) a capacidade de resistir a situações desfavoráveis, e b) uma atitude que consiste em mostrar-se razoável, compreensivo para com as ideias, crenças religiosas, sistemas políticos diferentes ou contrários. A palavra vem do latim tolerantia, derivado de tolerare, “suportar”. Na segunda definição a palavra tolerância assume  um valor positivo ligado a uma modalidade especial de administrar conflitos.

Perante um conflito há pelo menos três maneiras de reagir: a) atacando, através de comportamento agressivo; b) retirando, através de comportamento passivo e c) negociando como um valor a conquistar através de comportamento assertivo, mas razoável e realista de si mesmo e do outro. Este último tipo é que nós precisamos cultivar hoje. A tolerância é uma atitude fundamental para quem vive em sociedade.

Uma pessoa tolerante normalmente aceita opiniões ou comportamentos diferentes ou divergentes daqueles estabelecidos pelos meios sociais ou no seu próprio grupo. O conceito de intolerância se aplica em diversos domínios. Por exemplo: intolerância social, intolerância civil, intolerância religiosa, intolerância racial (nordestino e negro), intolerância sexual (os homo afetivos e outros da LGBT) etc.

É importante evitar a tolerância passiva “aquela atitude de quem aceita a existência com o outro não porque o deseje e veja algum valor nisso, mas porque não o consegue evitar” (L. Boff). Enquanto é importante incentivar a tolerância ativa numa atitude de quem positivamente convive com o outro porque tem respeito por ele e consegue compreender os valores da diferença e se enriquece por eles. Porém, há unanimidade que a tolerância é antes de tudo uma exigência ética que é a parte da filosofia responsável pela investigação dos princípios que motivam, distorcem, disciplinam ou orientam o comportamento humano, refletindo especialmente as normas, valores, prescrições e exortações presentes em qualquer realidade social.

A expressão “tolerância zero” é utilizada para definir o grau de tolerância a uma determinada lei, procedimento ou regra, de forma a impedir a aceitação de alguma conduta que possa desviar o que foi previamente estabelecido. Por exemplo, “tolerância zero a motoristas embriagados”, tolerância zero para aqueles que abusam sexualmente crianças inocentes, tolerância zero para aqueles que não respeitam o direito de uma pessoa seguir uma determinada religião etc. Precisamos ter tolerância zero com intolerância!

Pe. Brendan Coleman Mc Donald,
 Assessor da CNBB Reg. NE1

Artigos Relacionados

Publicado em 28/02/2019 por João Augusto

Japonês, Árabe e Coreano estão entre os cursos ofertados pela FCF Idiomas

Aulas iniciarão em março e terão preços populares.

faculdade católica de Fortaleza - FCF
Faculdade católica de Fortaleza – FCF

Línguas bíblicas, comerciais e orientais compõem a oferta de cursos de línguas ofertados pela  Faculdade Católica de Fortaleza – FCF Idiomas, a partir do dia 9 de março, à medida do fechamento das turmas. Ao todo será oferecido o ensino de treze línguas, entre elas, Japonês, Árabe e Coreano, além de inglês, italiano e português para concurso e Enem.

Todos os cursos terão a carga horária de 60 horas / aula, com previsão de término dia 15 de julho. Serão ofertadas 30 vagas por turma. “Uma boa notícia é que, além da qualidade dos cursos, o valor cobrado por eles será popular”, explica Padre Moésio Pereira, Coordenador da Pós-Graduação , Pesquisa e Extensão da FCF.

As inscrições poderão ser efetivadas na própria instituição, das 8h às 21h. Os cursos serão ofertados no período da noite e manhãs de sábado. Para os cursos de Idiomas Bíblicos o aluno poderá optar no ato da inscrição por dois idiomas, ficando condicionada a sua escolha à formação de turma.

Cursos da Faculdade Católica – FCF

Idiomas Bíblicos: Grego Bíblico, Hebraico Bíblico , Aramaico, Latim, Hebraico Moderno

Idiomas Comerciais: Inglês, Francês, Espanhol, Italiano, Português para concurso e Enem

Idiomas Orientais:  Japonês, Coreano, Árabe

Mais informações:

Faculdade Católica de Fortaleza (Rua Tenente Benévolo, 201, Centro)

Tel.: (85) 3453.2150

http://www.catolicadefortaleza.edu.br/

Confira os horários:

Publicado em 27/02/2019 por João Augusto

Filhos de sacerdotes: “o bem das crianças é o critério a ser seguido”, afirma Card. Stella

O Card. Beniamino Stella, prefeito da Congregação para o Clero, concede entrevista ao Vatican News  (Vatican Media)

O Cardeal Beniamino Stella, prefeito da Congregação para o Clero, explica as orientações do Dicastério aplicadas nos casos de padres do rito latino que têm filhos.

Andrea Tornielli – Cidade do Vaticano

A questão dos “filhos dos padres” é um tema que por muito tempo foi tabu com a consequência frequente, sobretudo no passado, de que essas crianças crescessem sem ter um pai conhecido e reconhecido. Trata-se, contudo, de um problema distinto daquele abordado na semana passada no Vaticano, centrado nos abusos cometidos contra menores.

Nos últimos dias esteve em Roma o psicoterapeuta Vincent Doyle, filho de um padre católico irlandês e fundador do “Coping International” (www.copinginternational.com), uma associação que defende dos direitos dos filhos de padres católicos em todo o mundo. Doyle quer ajudar a “sair do anonimato” e auxiliar psicologicamente “as muitas pessoas nascidas de uma relação entre uma mulher e um padre” em várias partes do mundo.

O psicoterapeuta irlandês, em entrevistas recentes concedidas a diversos veículos de comunicação, falou de um documento da Congregação para o Clero – de fato, de uso interno, impropriamente definido “secreto” – relativo à conduta a ser seguida nesses casos. A existência dessas orientações internas, conhecidas pelo próprio Doyle desde 2017, e o critério geral relativo à proteção das crianças foram confirmados pelo diretor interino da Sala de Imprensa da Santa Sé, Alessandro Gisotti.

Conversamos com o cardeal Beniamino Stella, prefeito da Congregação para o Clero, o Dicastério que se ocupa de tal aspecto da vida dos sacerdotes.

Eminência, quais são os critérios que guiam as decisões a serem tomadas no caso de sacerdotes com filhos?

“O Dicastério segue uma prática desde o período em que o cardeal Claudio Hummes era prefeito – cerca de dez anos atrás – o qual por primeiro apresentou ao Santo Padre, na época Bento XVI, os casos de sacerdotes com menos de 40 anos com filhos, propondo que eles obtivessem a dispensa sem esperar o cumprimento dos 40 anos, como previsto nas normas daquele período.

Tal decisão tinha, e tem, como objetivo principal, proteger o bem dos filhos, o direito, isto é, das crianças a ter ao seu lado um pai, além de uma mãe. Inclusive Papa Francisco, que já tinha falado sobre isso quando ainda era cardeal arcebispo de Buenos Aires durante um diálogo com o rabino Abraham Skorka, publicado no livro ‘O céu e a terra’, e foi categórico: a atenção prioritária por parte do sacerdote deve ser em relação aos filhos.”

O que se entende com “atenção”?

“Certamente não se refere somente ao necessário sustento econômico. O que deve acompanhar o crescimento de um filho é sobretudo o afeto dos pais, uma educação adequada, de fato, tudo aquilo que comporta um efetivo e responsável exercício da paternidade, sobretudo nos primeiros anos da vida.”

Pode dizer no que consiste o documento interno do qual se falou?

“Trata-se de um texto intitulado ‘Nota relativa à prática da Congregação para o Clero a propósito dos clérigos com filhos’, que reúne e sistematiza a prática em vigor há anos no Dicastério. Como foi explicado, trata-se de um instrumento de trabalho ao qual fazer referência quando se apresenta uma situação do gênero, um texto ‘técnico’ para os colaboradores do Dicastério ao qual recorrer. Somente por isso não foi publicado. Consta, por outro lado, que o senhor Doyle pôde vê-lo dois anos atrás. Esse texto é normalmente apresentado e comentado pela Congregação às Conferências Episcopais e a cada Bispo, que tratam o tema e pedem como proceder.”

Pode explicar como se comporta hoje o Dicastério que o senhor preside diante desses casos?

“A presença dos filhos nos dossiês relativos às dispensas sacerdotais foi tratada, de fato, como uma causa praticamente ‘automática’ para uma apresentação célere do caso ao Santo Padre com o objetivo da concessão da própria dispensa. Procura-se, então, fazer o possível para que a dispensa das obrigações do estado clerical seja obtida no tempo mais rápido possível – alguns meses – para que o padre possa se tornar disponível ao lado da mãe para seguir os filhos. Uma situação desse gênero é considerada ‘irreversível’ e requer que o sacerdote abandone o estado clerical mesmo se ele se considere idôneo ao ministério. Um cálculo aproximativo sobre os pedidos de dispensa revela que cerca de 1,80% deles contém a presença de filhos, embora frequentemente concebidos depois do abandono do próprio ministério.”

Essa regra é aplicada sempre e em qualquer caso? Ela se aplica inclusive no caso em que os padres com filhos não queiram pedir a dispensa do ministério?

“Às vezes acontece que os Bispos e os Superiores religiosos apresentem a situação de sacerdotes que não pretendem solicitar a dispensa, mesmo diante da presença de filhos, sobretudo quando terminou a relação afetiva com a mãe deles. Em tais casos existem, infelizmente, Bispos e Superiores que pensam que, depois de ter organizado economicamente os filhos ou depois de ter transferido o sacerdote, o clérigo possa continuar a exercitar o ministério. As incertezas nessa matéria, então, nascem da resistência dos sacerdotes em pedir a dispensa, da falta de uma relação afetiva com a mulher e, às vezes, do desejo de alguns Ordinários de oferecer ao sacerdote arrependido e convertido uma nova oportunidade ministerial. Quando, segundo a avaliação do Bispo ou do Superior responsável, a situação requer que o sacerdote assuma a responsabilidade derivada da paternidade, mas não quer pedir a dispensa, o caso é apresentado à Congregação para a demissão do clérigo do estado clerical. Obviamente um filho é sempre um presente de Deus, não obstante como foi gerado. A perda do estado clerical ocorre porque a responsabilidade parental cria uma série de obrigações permanentes que, na legislação da Igreja latina, não prevê o exercício do ministério sacerdotal.”

Essa regra é geral e sempre válida, ou cada caso é enfrentado de maneira diversa?

“Obviamente cada caso é examinado no mérito e na própria especificidade. As exceções são, na verdade, muito raras. Por exemplo, acontece o caso de um recém nascido, filho de um sacerdote que, por determinadas situações, entra numa família já consolidada em que um outro pai assume o papel de pai. Ou quando se trata de sacerdotes idosos, com filhos em idade já ‘madura’, de 20-30 anos. Padres que, na juventude, tiveram situações dolorosas afetivas e que depois asseguraram aos filhos o acompanhamento econômico, moral e espiritual, e hoje exercitam o seu ministério com zelo e empenho, depois de terem superado as fragilidades afetivas precedentes. Nessas situações, o Dicastério não obriga os Bispos a convidar os padres a solicitar a dispensa. Trata-se, me parece, de casos em que o Dicastério aconselha um discernimento mais flexível dentro de uma prática e de linhas guias rigorosas para a Congregação.”

O que se pode responder àqueles que sustentam que a presença dos filhos dos sacerdotes é um argumento para a introdução do celibato facultativo para os sacerdotes da Igreja latina?

“O fato que alguns padres tenham vivido relações e tenham colocado no mundo filhos não diz respeito ao tema do celibato sacerdotal que representa um dom precioso para a Igreja latina, com valor sempre atual, como se manifestaram os últimos Pontífices, de São Paulo VI até o Papa Francisco. Assim como a existência de casos de abandono do teto conjugal e dos filhos obviamente não diz respeito ao valor sempre atual do matrimônio cristão. O importante é que o sacerdote, diante dessa realidade, seja capaz de compreender qual é a sua responsabilidade frente a um filho: o seu bem e o seu cuidado devem estar no centro da atenção da Igreja para que não faltem aos filhos, não somente o necessário para viver, mas sobretudo o papel educativo e o afeto de um pai.”

Fonte: Vaticano News

Publicado em 27/02/2019 por João Augusto

Papa Francisco nomeia bispo para a diocese de Formosa (GO)

Dom-Adair
Dom-Adair

A Nunciatura Apostólica no Brasil comunicou na manhã desta quarta-feira, 27, a decisão do papa Francisco em nomear para a vacante diocese de Formosa (GO), dom Adair José Guimarães, transferindo-o da sede episcopal de Rubiataba-Mozarlândia, no Estado de Goiás. Atualmente, a diocese de Formosa tem como Administrador Apostólico o arcebispo de Uberaba, dom Paulo Mendes Peixoto, que assumiu as atividades em 2018, quando o então bispo dom José Ronaldo Ribeiro renunciou ao cargo.

Dom Adair José Guimarães

Nascido na cidade de Mara Rosa, no Estado de Goiás, em 1960, dom Adair ingressou, aos 20 anos, no Seminário de Brasília onde cursou o Ensino Médio e os primeiros anos do curso de Filosofia. Em 1982 concluiu o curso no Instituto de Filosofia João Paulo II, da arquidiocese do Rio de Janeiro. Ele também estudou Teologia, na Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (Puc-Rio). Tem especialização em Direito Canônico Matrimonial, pela Faculdade São Bento do Rio de Janeiro.

Ordenado padre em 21 de dezembro de 1986, já exerceu os postos de Pároco na Catedral de Uruaçu (1987 a 1998), na Paróquia Santo Antônio, em Mara Rosa (1999 a 2005) e na Paróquia Nossa Senhora Aparecida, em Minaçu (GO). Adair foi, também, reitor do Seminário de Uruaçu; responsável pela Pastoral Vocacional e da Juventude na diocese; coordenador diocesano de pastoral; presidente da Organização dos Seminários e Institutos Filosófico-teológicos do Brasil (OSIB), entre outras funções.

No dia 27 de fevereiro de 2008, foi nomeado bispo pelo papa Bento XVI para a diocese de Rubiataba-Mozarlândia. A posse, como terceiro bispo da diocese aconteceu no dia 25 de maio de 2008. Como prelado assumiu as funções de Juiz Presidente do Tribunal Eclesiástico da arquidiocese de Goiânia; membro da Equipe do Seminário Interdiocesano de Goiânia e bispo referência para a liturgia no Centro-Oeste.

Saudação

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) enviou saudação a dom Adair José Guimarães. O texto é assinado pelo vice-presidente da CNBB, dom Murilo Krieger e pelo secretário-geral da entidade, dom Leonardo Steiner. Confira, abaixo, a saudação na íntegra:

Saudação da CNBB a dom Adair José Guimarães

Brasília, 27 de fevereiro de 2019

Prezado Irmão, dom Adair José Guimarães.

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) manifesta sua alegria ao receber a notícia de sua nomeação como novo bispo de Formosa (GO). Fomos informados da nomeação nesta quarta-feira, 27 de fevereiro, durante a reunião do Conselho Episcopal Pastoral (Consep). Aproveitamos, este momento, para agradecer, mais uma vez, ao Santo Padre pelo olhar sempre bondoso que ele sempre tem para com a Igreja no Brasil.

Temos conhecimento de sua dedicação como pastor na Igreja Particular de Rubiataba-Mozarlândia nos últimos dez anos. Agradecemos ainda sua permanente colaboração com o regional centro-oeste da Conferência, sendo, ultimamente seu vice-presidente.

Buscamos a palavra do papa Francisco para saudar sua transferência. Encontramos uma reflexão muito inspiradora apresentada na semana passada, dia 20 de fevereiro, na audiência geral: “Quando chamamos ‘Pai’ a Deus, temos em mente a figura do nosso pai terreno; mas este – o nosso pai terreno – não era perfeito, como nós próprios, aliás, também não seremos pais ou pastores perfeitos. As nossas relações de amor estão sempre marcadas pelos nossos limites e o nosso egoísmo, inquinadas por desejos de domínio ou de manipulação do outro. Somos mendigos que corremos o risco de nunca encontrar, na própria estrada, aquele tesouro que procuramos desde o primeiro dia da vida: o amor. Por isso, ao aplicar a Deus a imagem que temos do nosso pai, precisamos de a afinar, purificar. O amor de Deus é o do Pai ‘que está nos céus’, como Jesus nos convida a rezar: ‘Pai Nosso, que estais nos céus’. O nosso amor é frágil e intermitente, mas existe outro amor: o amor do Pai, que está nos céus; é o amor total, que nesta vida saboreamos apenas de forma imperfeita. A sede de amor, que todos sentimos, é o convite a conhecer Deus que é Pai”.

Desejamos que o senhor seja muito feliz na Igreja Particular de Formosa e pedimos que o Espírito Santo o assista nesta nova missão.

Em Cristo,

Dom Murilo S. Krieger
Arcebispo de Salvador (BA)
Vice-presidente da CNBB

Dom Leonardo Ulrich Steiner
Bispo auxiliar de Brasília
Secretário-geral da CNBB

Publicado em 27/02/2019 por João Augusto

Retiro de Carnaval nas Comunidades da Paróquia Santo Antônio de Pádua – Jardim Iracema

As Comunidades Nossa Senhora das Graças (Jardim Iracema) e Menino Jesus (Padre Andrade) pertencentes a Paróquia de Santo Antônio de Pádua irão realizar retiros no carnaval.

Louvor, Adoração, pregação e Santa Missa.

A Comunidade Nossa Senhora das Graças realizará o Renovar nos dias 2, 3, 4 e 5 de Março. A abertura será dia 2, às 19 horas. O Renovar vai acontecer na Quadra esportiva Irmã Alice (Quadra do Sete), Rua Rio Araguaia Nº 1669, bairro Jardim Iracema – Fortaleza.

Teremos também o V VINDE ESPÍRITO SANTO com o tema: Maria cheia do Espírito Santo, Fiel e missionária. Dias 3, 4 e 5 de Março. Acontece na própria comunidade Menino Jesus, Rua Vila Pereira, Nº 157, no bairro Padre Andrade – Fortaleza.

retiro de carnaval
retiro de carnaval

OBS: Programação será o dia todo com início às 8 horas da manhã e término às 17 horas.

Informações pelo telefone (85) 32844696 na Secretaria.

Publicado em 27/02/2019 por João Augusto

Dom Júlio César celebra aniversário natalício

A Arquidiocese de Fortaleza, comemora nesta quarta-feira, 27 de fevereiro, o aniversário natalício de d. Júlio César, bispo auxiliar. Nascido em Goiás, mas mudou com a família desde criança para Teresina, Piauí, onde deu os primeiros passos na fé e mais tarde fora ordenado presbítero e epíscopo. É com grande alegria que bendizemos a Deus pela vida do nosso pastor. Rogamos a Virgem Maria e São Francisco para que tenha saúde e paz, afim de exercer seu ministério com ardor missionário, nas “periferias existenciais e geográficas” da Igreja e sociedade. Vida longa, d. Júlio!

Conheça mais d. Júlio César

Dom Júlio César Souza de Jesus nasceu em 27 de julho de 1971 em Goiânia, Estado de Goiás. Concluiu seus estudos em Filosofia na Universidade Estadual do Ceará (1991-1993) e os de Teologia no Seminário Maior de Teresina (1994-1997). Obteve então uma Licenciatura em Teologia Dogmática na Pontifícia Universidade Gregoriana de Roma (2005-2007). Foi ordenado sacerdote em 27 de junho de 1998 para a Arquidiocese de Teresina, onde ocupou os seguintes cargos: Pároco de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro em Demerval Lobão (1998-2006) e de Santa Luzia em Teresina (2009) -2014), Vice-Reitor do Seminário Maior para os alunos de Filosofia (2007-2013). Atualmente é pároco na Paróquia Menino Jesus de Praga em Teresina, professor do Seminário Maior, Diretor Espiritual e professor da Escola Diaconal.

O Papa Francisco o nomeou no dia 11 de julho de 2018, bispo auxiliar da Arquidiocese de Fortaleza. Recebeu a ordenação episcopal, no dia 30 de setembro de 2018, na Catedral de Teresina. O epíscopo foi apresentado a Arquidiocese de Fortaleza no dia 6 de outubro de 2018, na Catedral Metropolitana. Exerce a missão junto as pastorais,  responsável pelas Regiões Episcopais: São Francisco das Chagas, Nossa Senhora da Assunção e Nossa Senhora dos Prazeres e pela Comissão da Juventude do Regional Nordeste 1 da CNBB.

Publicado em 26/02/2019 por João Augusto

Pastoral Presbiteral: Informação, partilha e compromisso

pastoral presbiteral
pastoral presbiteral

Nota do Presidente do Fundo de Sustentação do Clero, Pe. José Teixeira, sobre o Conselho Econômico Paroquial.


QR Code Business Card