Publicado em 23/12/2014 por

[ARTIGOS] Natal: Jesus está no meio de nós

Neto-padre.-400x300A celebração no nascimento de Jesus faz a Igreja toda alegrar-se, cantar e dar graças a Deus. Todos nos sentimos unidos ao coro dos anjos que na noite de Natal, em Belém da Judéia, há cerca de dois mil anos, para anunciar aos pastores o nascimento do Menino Deus, cantou jubiloso: “Glória a Deus nas alturas e paz na terra aos homens por ele amados” (Lc. 2,14).

Cada ano, ao celebrarmos de novo o Natal do Senhor Jesus, se oferece uma oportunidade admirável de um encontro pessoal com Ele. Muitos católicos o fazem diante do Presépio do Menino Deus. Outros o fazem nas novenas do Advento com as famílias e até mesmo na Missa de Natal, participando fervorosamente da comunhão eucarística. Outros ainda o buscam após a Missa de Natal reunindo a família para a reflexão. Outros preferem encontrar Cristo, visitando famílias pobres e desassistidas, recordando a pobreza com a qual quis solidarizar-se Jesus ao nascer pobre, mostrando-nos o caminho do serviço aos necessitados. Muitas formas há para encontrarmos Cristo na celebração do seu Natal. Mas não devemos perder a oportunidade. É Ele quem bate à porta do nosso coração e deseja ser recebido. Isso não é fantasia piedosa, mas a real vontade de Deus de encontrar-nos, porque nos ama.

Neste Natal procuremos fazer do nosso coração um Presépio, onde Jesus nasça; devemos abri-lo ao amor, jogando para fora dele o egoísmo, a falta de perdão, a ganância, o preconceito, o orgulho, o desamor, a injustiça.  Como há dois mil anos, também hoje muitas casas estão fechadas para Jesus, porque nelas há de tudo, menos espaço para o amor.  Se não abrimos as portas do nosso coração e não o oferecemos para que Jesus more nele, com certeza o nosso Natal será triste e sem graça, mesmo que não falte comida e a bebida. Natal sem Jesus é Natal sem amor, e Natal sem amor é Natal sem Jesus.  Há pessoas que dizem que o Natal é um dia qualquer. Não muda nada. O Natal muda sim. Até a cidade, praças, ruas, casas e  apartamentos mudam com os enfeites e as luzes de Natal. Não podemos esquecer que o Natal é a festa da luz – luz de Jesus em nosso coração. Natal é a festa da família  – Jesus Maria e José e a nossa família. Natal é a festa de todos: ricos, pobres, reis e mendigos, iletrados e cultos. No Natal não basta contemplarmos o presépio, a candura de uma criança indefesa. Mas devemos olhar sobretudo o que essa criança fez depois de adulto: o exemplo de sua vida sacrifical na cruz; o poder perdoador de sua morte – perdoando os nossos pecados; a viva esperança de sua ressurreição, tornando-se salvador, presente vivo de todo aquele que confia e crê. Isso sim, é o verdadeiro natal de Jesus em nossa vida. Para entender e celebrar bem o Natal com a família e amigos podemos ler e meditar os seguintes textos bíblicos: Is.62,1-5; At 13,16-25; Mt 1,1-25; Is 9,1-6; Tt 2,11-14; Lc 2,1-14; Is. 62,11-12; Tt 3,4-7; Lc 2,15-20, Hb 1,1-6; Jo 1,1-18.

Concluímos, desejando a todos um Santo Natal e um Feliz Ano Novo!

Leia aqui a Oração do natal com as famílias.

Pe. Neto, Pároco de São Vicente de Paulo

 

Publicado em 23/12/2014 por

[NOTÍCIAS] Natal em Canindé

Programaçã160O Natal em Canindé é como a festa de São Francisco com um grande número de romeiros e devotos, que vêm a este Santuário reverenciar o Menino Jesus e o Santo da paz. Fato este muito interessante, pois sabemos que São Francisco, na noite de 1223, estava em Greccio e seu desejo era fazer um memorial daquele menino que nasceu em Belém. Então, numa pequena gruta Francisco participou da celebração de uma Santa Missa. Como diácono pronunciou o Evangelho. Depois da consagração a hóstia foi colocada numa manjedoura. Assim o Santo reviveu o mistério do Natal, o que deu origem ao presépio. Talvez por isso seja tão grande aqui em Canindé, onde ele é padroeiro, a festa do Natal. E uma de nossas tradições no Santuário é o presépio, que é montado na quadra da gruta de Nossa Senhora de Lourdes.

Já estamos com a programação concluída. Teremos missa durante todo o dia, confissões e, à noite, o Show Natalino e a Missa Solene do Natal do Senhor, na Praça dos Romeiros. Então, venha a Canindé, para juntos vivermos o mistério da manifestação de Jesus ao mundo através de seu nascimento e celebramos nossa redenção, que se cumprirá em sua Páscoa! Uma feliz caminhada do advento!

Programação de Natal no Santuário de Canindé 2014

Dia 24 de dezembro

Celebrações Eucarística, na Quadra da Gruta, atrás da Basílica:

Às 5h, 7h, 9h, 11h, 16h e 18h.

Às 20h30min – Show Natalino, na Praça dos Romeiros.

Às 23h – Missa Solene do Natal do Senhor, na Praça dos Romeiros.

Dia 25 de dezembro

Celebrações Festivas, na Quadra da Gruta, atrás da Basílica:

Às 6h, 9h, 16h e 18h.

Informações pelo telefone (85) 3343 0017 na secretaria paroquial.

Publicado em 23/12/2014 por

[ARTIGOS] Dom Aloísio Lorscheider nos deixou há 7 anos

geovane200Padre Geovane Saraiva*

“[…] Para aprofundar e anunciar os mistérios da nossa fé é preciso entrar no silêncio de Deus”, dizia o grande homem de Deus, na sua doçura e ternura em pessoa, o qual há sete anos (23/12/2007) partiu para o seio do Pai. Dom Aloísio Cardeal Lorscheider, que pela graça de Deus, se fez discípulo de São Francisco de Assis em toda sua plenitude, na seguinte assertiva sobre o pobrezinho de Assis: “Um homem livre, amarrado a ninguém, levando-o a redescobrir a pureza original das criaturas. Indubitavelmente, o Cântico das Criaturas expressa esta liberdade interior e exterior conseguida pelo Santo de Assis. Só uma vida inteiramente aberta a Deus e ao Irmão é capaz de dar à criatura humana o gozo da libertação, que conduz à liberdade pura e santa com que Deus nos criou”.

Que a mística franciscana tão presente na vida de Dom Aloísio, ao mergulhar no Mistério da Encarnação, sobretudo, neste tempo forte do Advento, que precede o Natal; também na Paixão do Senhor, ofertando ao Ceará (Arquidiocese de Fortaleza) um rosto de uma Igreja verdadeiramente pascal, na mais profunda liberdade e perfeita alegria, nos proporcione gestos concretos, no sentido de desmanchar a montanha do orgulho e do egoísmo, amparados pela simbologia do manto da paz, da justiça, da ternura e da solidariedade, agora muito presente na Igreja, nas sábias palavras do Papa Francisco, no jornal La Stampa (15/12/2013): “O Natal é esperança e ternura; jamais ter medo da ternura; é o encontro de Deus com o seu povo; é também um mistério de consolação”. Não pode faltar jamais a profecia: “Quando falta à profecia na Igreja, toma lugar o clericalismo”.

Um Deus que amou tanto o mundo, a nos presentear com seu Filho único neste Natal (cf. Jo 3,16), deu-nos também um amigo, um pastor, um teólogo e um Cardeal, que sabia compreender a realidade na sua conjuntura e, com suas posições bem claras e definidas, nas análises e nas conclusões teológicas pastorais, ao passar às pessoas de boa vontade, um clima que favorecia e gerava uma confiança generalizada. Dom Aloísio nos faz pensar que o consumismo, o egoísmo e o individualismo não podem ofuscar o florescimento da alegria e da esperança dos irmãos e irmãs, ávidos a sempre mais redescobrir, numa bela e maravilhosa aventura, que Deus é amor.

Foi exatamente a virtude da simplicidade e da humildade que o transformou no Cardeal que mais se destacou em todos os Conclaves e Sínodos, dos quais participou, gerando para o mundo inteiro e, especialmente para a imprensa, uma grande expectativa. Sua palavra corajosa e profética era acolhida por todos como uma boa notícia, como uma dádiva que descia do céu! Eis que disse o Senador Pedro Simon a respeito de Dom Aloísio: “[…] sua voz, naturalmente doce, alternava-se quando era preciso confrontar os vendilhões da justiça, quando todos os jardins da democracia corriam o risco de ser alvo de bombas atiradas pelos olhares fixos da repressão. Sua voz ecoou pelos corredores das prisões […]”.

A espiritualidade franciscana foi imprescindível em todo seu trabalho e na sua caridade pastoral para com os empobrecidos, chegando a se pronunciar, num artigo publicado em 1982, na Revista Grande Sinal: “À medida que passam os anos, São Francisco merece maior atenção. Em nossos dias, sobretudo, com a redescoberta do lugar social do pobre na Igreja e no mundo, o interesse pelos ideais de São Francisco faz-se mais vivo” […].

Em Francisco de Assis Dom Aloísio Lorscheider descobriu a verdadeira face de Deus, indispensável no traçado de seus passos, a partir dessa realidade misteriosa, quando o afirma numa tônica poética, com profunda sabedoria: “Sempre fiquei muito impressionado e atraído pelo amor quente e apaixonado que São Francisco dedica a Deus. Parece que no beijo do leproso ele entendeu, como Saulo no caminho de Damasco, a doação total de Deus a nós em seu Filho Jesus Cristo. Custou a Francisco não só descer do cavalo fogoso que no momento montava, mas muito mais do cavalo do orgulho e da vaidade com que ele queria conquistar o título de grande e nobre”.

Dom Aloísio, ao se tornar Arcebispo de Fortaleza (1973-1995), dentro do seu ideal franciscano, tinha bem claro as resoluções do Concílio vaticano II, dizendo logo de início: “A comunidade eclesial não é feudo do bispo, mas ele é o servidor de uma Igreja que se entende a si mesma como sacramento do Reino, isto é, da presença da verdade e do amor infinito de Deus para com cada criatura humana”.  Daí ele não compreender como algo natural e normal se conviver com a miséria e o acentuado empobrecimento do povo, que tinha como consequência o êxodo, o flagelo e a morte de muitos irmãos, levantando sua voz de profeta para dizer que não era vontade de Deus a realidade aqui encontrada e, ao mesmo tempo, usou de todos os meios, com uma enorme vontade de transformar essa mesma realidade, marcando profundamente a história da Igreja do Ceará e do Brasil. No dizer do Desembargador Fernando Ximenes, “Em pleno regime de exceção, a sociedade cearense logo sentiu os efeitos dessa guinada. As camadas desfavorecidas ou marginalizadas, os sem-terra, os sem-teto, os presos políticos, os presidiários comuns, os trabalhadores em greve – ganharam aliado de peso”.

Quando ele se tornou bispo emérito de Aparecida, veio a seguinte pergunta: O que o senhor vai fazer? Respondeu: “Sou um simples frade menor e vou fazer o que o meu provincial mandar, porque a obediência me torna livre”. Jamais podemos esquecer a chama luminosa de um coração amável e cheio de bondade, de uma pessoa humana, dotada de grandes virtudes e qualidades, de um “bispo completo”, segundo o grande teólogo Alberto Antoniazzi e nas palavras do então Senador Tasso Jereissati, “do homem mais ilustre da nossa geração, no Ceará, com a sua vida de dedicação à causa dos excluídos”, do maior benfeitor e patrimônio do povo cearense, que partiu há seis anos, deixando-nos tristes e com enorme saudade.

Concluo nosso artigo, sintonizado com o Sumo Pontífice, tendo como algo relevante, sua oração na Capela Santa Marta, no dia 16/12/2013: “A nossa oração nesses dias em que nos preparamos para o Natal do Senhor deve ser: Senhor, que não faltem os profetas em seu povo! Todos nós batizados somos profetas. Senhor, que não nos esqueçamos de sua promessa! Que não nos cansemos de ir adiante! Que não nos fechemos nas legalidades que cerram as portas. Senhor, liberta o teu povo do espírito do clericalismo e ajude o teu povo com o espírito da profecia”. Assim seja!

*Padre da Arquidiocese de Fortaleza, escritor, articulista, blogueiro, membro da Academia Metropolitana de Letras de Fortaleza, da Academia de Letras dos Municípios do Estado Ceará (ALMECE) e Vice-Presidente da Previdência Sacerdotal – Pároco de Santo Afonso – geovanesaraiva@gmail.com

Publicado em 22/12/2014 por

[NOTÍCIAS/Mundo] Francisco pede que fiéis “abram as portas a Cristo”

Papa_angelus2014 245x245

Milhares de fiéis estiveram reunidos neste quarto e último domingo do Advento, na Praça São Pedro, no Vaticano. Durante o encontro, o papa Francisco convidou os presentes a meditar sobre o anúncio do Anjo Gabriel a Maria.

Francisco disse que pensando nesta jovem simples de Nazaré há dois aspectos essenciais de sua atitude, que são o modelo de preparação para o Natal. “Antes de tudo, a sua fé, que consiste em escutar a Palavra de Deus e entregar-se a esta palavra com total disponibilidade de mente e de coração. Maria respondeu ‘sim’ sem saber os caminhos que deveria percorrer, as dores que sofreria, os riscos que enfrentaria, mas estava consciente que era o Senhor que lhe pedia. Ela confia totalmente Nele e se abandona a seu amor”.

O outro ponto a ser meditado é a capacidade da Mãe de Cristo de reconhecer o tempo de Deus. “Maria é aquela que tornou possível a encarnação do Filho de Deus, a revelação do mistério, guardado em segredo durante séculos, como escreve o apóstolo Paulo”.

O pontífice lembra que Maria ensina os fiéis a acolher o momento favorável em que Jesus passa na vida de cada um e pede uma reposta rápida e generosa. Ele reiterou que, como Maria, todos são chamados a responder um ‘sim’ pessoal e sincero ao chamado, colocando-se plenamente à disposição de Deus e de sua misericórdia.

Deixando de lado seu discurso, Francisco falou de improviso. “Quantas vezes Jesus passa em nossa vida e quantas vezes nos manda um anjo e nós não percebemos porque estamos imersos em nossos pensamentos, ocupados com os nossos negócios e nestes dias, até com os preparativos para o Natal! Ele passa e não notamos que bateu em nossa porta, pedindo acolhimento”, disse.

O papa alertou que quando se sente no coração a vontade de ser melhor, é o Senhor que faz sentir este desejo. “É ele que está batendo, não o deixem passar. Jesus bate na porta de nosso coração para nos dar a paz de espírito; abramos as portas a Cristo”, pediu.

Antes de rezar a oração do “Angelus”, o papa concluiu sua reflexão recordando a presença silenciosa de São José ao lado de Maria. “O exemplo de Maria e de José é para todos nós um convite a acolher Jesus com total abertura de espírito. Por amor Ele se fez nosso irmão; Ele vem trazer ao mundo o dom da paz. Cristo é a nossa verdadeira paz. Entreguemo-nos à intercessão de nossa Mãe e de São José para vivermos um Natal realmente cristão, livres de toda mundanidade e prontos para acolher o Salvador, Deus conosco”, encerrou Francisco.

Fonte CNBB com informações da News.va e foto da Rádio Vaticano

 

Publicado em 22/12/2014 por

[ARTIGOS] Troca de dons entre o céu e a terra

geovane200Por Padre Geovane Saraiva*

Natal é um convite feito às pessoas de boa vontade de “participar da divindade daquele que uniu a Deus nossa humanidade”, manifestando-se como luz, a iluminar todos os povos no caminho da salvação. No Natal experimentamos misteriosamente “a troca de dons entre o céu e a terra”, na ternura e na esperança, sem jamais ter medo da ternura, no dizer do Papa Francisco.

O Menino Jesus, tão pequeno na gruta de Belém, entrou no mundo como uma criança frágil, vivendo na sociedade de seu tempo, filho de Maria de Nazaré e do carpinteiro José, querendo, evidentemente, desmanchar a montanha do orgulho e do egoísmo, amparado pela simbologia do manto da paz, da justiça, da ternura e da solidariedade. Mas ele, sem que as pessoas conseguissem perceber, carregava consigo uma profunda marca, a natureza divina – É o Verbo de Deus que se encarnou e veio se estabelecer entre nós (cf. Jo 1, 14).

A nós católicos cabe exultar e, ao mesmo tempo, contemplar associados aos anjos, que povoaram os céus naquela noite feliz e memorável, no insondável e misterioso coro: “Glória a Deus nas alturas e paz na terra aos homens de boa vontade”, para que sua chegada encontre morada no interior das pessoas, além de causar-nos uma alegria transbordante, naquele que de modo inexprimível, no dizer de  Santo Afonso Maria de Ligório, “desce das  estrelas, vindo morar numa gruta, ao frio, ao gelo”.

Que este Natal de 2014, a partir dos gestos, atitudes e palavras do nosso querido Papa Francisco, seja de verdade: festa de paz, amor, justiça e fraternidade. Não terá nenhum sentido celebrar o Natal do Senhor, sem que aconteça no nosso interior, profundas mudanças de conversão, aceitando na vida e no dia a dia a atitude pobre, mansa e humilde, “daquele que se dignou assumir nossa humanidade”, de Jesus da Nazaré.

Para a humanidade que parece ter perdido o sentido da vida, eis uma ocasião, a qual não se pode dispensar, para fazer uma profunda revisão de vida, no Menino que o vemos na manjedoura, pobre e frágil, simples e humilde, mas que recorda um número infinito de meninos empobrecidos, cansados de ilusórios presentes. Eles não querem esses ilusórios presentes, porque estão ávidos é de um futuro, marcado de pequenos gestos, gestos concretos traduzidos em despojamento, em amor de verdade!

Saibamos, pois, aproveitar do Natal, festa tão simpática, a qual enche nossos corações de enorme alegria!  Alegria mesmo por toda parte! Vamos ficar bem atentos diante do Evangelho, como palavra de ordem: “Eis que eu anuncio uma grande alegria, que será para todo o povo” (cf. Lc 2, 10). Mas qual é mesmo a verdadeira alegria? “Nasceu-vos hoje na cidade de Davi um Salvador, que é o Cristo Senhor” (cf. Lc 2, 11).

Na tão sonhada esperança indissolúvel, da terra transformar-se céu e o céu transformar-se terra, é que vos desejo um feliz Natal! – “Porque um menino nasceu para nós, foi-nos dado um filho; ele traz aos ombros a marca da realeza; o nome que lhe foi dado é: conselheiro admirável, Deus forte, pai dos tempos futuros, príncipe da paz” (cf. Is 9,6). Amém!

*Padre da Arquidiocese de Fortaleza, escritor, articulista, blogueiro, membro da Academia Metropolitana de Letras de Fortaleza, da Academia de Letras dos Municípios do Estado Ceará (ALMECE) e Vice-Presidente da Previdência Sacerdotal – Pároco de Santo Afonso – geovanesaraiva@gmail.com

 

 

Artigos Relacionados

Publicado em 22/12/2014 por

[NOTÍCIAS] Aniversário da Catedral de Fortaleza

CATEDRAL 2011

Aniversário da Catedral de Fortaleza

Celebramos nesta segunda-feira, dia 22 de dezembro, o aniversário de Dedicação da Catedral Metropolitana de Fortaleza.  Após a demolição da antiga Igreja da Sé  em setembro de 1938, foi plantada a pedra fundamental, início simbólico da edificação da nova Igreja-Mãe de Fortaleza.

Após 40 anos de construção a conhecida Igreja da Sé foi inaugurada por Dom Aloísio Lorscheider no dia 22 de dezembro de 1978. O novo templo que hoje comtemplamos tem capacidade para 5 mil pessoas e destaca-se por seu tamanho, beleza e simplicidade arquitetônica. Seu projeto é de autoria do engenheiro francês George Mounier.

A nova Catedral de Fortaleza, que este ano completa 36 anos tem além dos belos vitrais, destaque no seu altar mor, na pia batismal e na Capela do Santíssimo Sacramento.

Algumas particularidades  que nem sempre são conhecidas pelo povo cearense, estão em seu subsolo, na cripta da Catedral, tais como:  a Capela dos Santos Adolescentes, a Capela do Cristo Ressuscitado onde estão sepultados alguns bispos  e a secretaria da paróquia.

Catedral-de-Fortaleza

  • Ordenações Presbiterais

Como parte dos festejos à dedicação da Catedral Metropolitana de Fortaleza, será celebrada  hoje, dia 22, às 18 horas e 30 minutos, a ordenação presbiteral de 11 diáconos.

Os jovens diáconos que serão ordenados presbíteros são: 4 Diocesanos,  1 da Ordem de São Bento, 2 Instituto Nova Jerusalém e 4 da Comunidade Católica Shalom.  São eles:

 Alex de Brito Sátiro

 Cledison Reis Lima

 Célio Lourenço da Silva

 Gabriel Alves do Amaral

 Francisco Aderlane Freitas Carneiro

 Francisco Marciano de Sousa

 José Aroldo Martins Santos

 José Lauro Costa Aderaldo

 Livandro Nonato Dias Coelho Delfim Monteiro

 Rômulo Bezerra de Castro

 Vicente Gomes de Oliveira

catedral_de_Fortaleza_2

 

Publicado em 22/12/2014 por

[Artigo] Natal 2014

                                                NATAL 2014

Os preparativos e a expectativa para o Natal marcam este período do ano. A Festa do Natal nos convida insistentemente à reflexão. Oportunidade esta para uma visão retrospectiva sobre os mais de dois milênios que nos separam do nascimento de Cristo em Belém.  Historicamente falando, não há certeza absoluta sobre o dia e o mês do nascimento de Cristo, porque os evangelistas silenciam os pormenores da data. A data que nós celebramos foi escolhida pelo Papa Libério em 354, com grande probabilidade histórica. Nesta data em que se dá o solstício de inverno para os países nórdicos. Proclamamos, portanto, nossa felicidade no Sol da Justiça, que fúlgido, aparece no horizonte da humanidade, mudando os ponteiros da história para uma nova e decisiva era. É dever elementar, consequência de nossa fé, revigorar, em nossas vidas, a verdadeira festa do nascimento de Cristo.padre-Brendan200

Há, entretanto, profunda diversidade de motivos que alteram os hábitos e os sentimentos das pessoas nesta época de Natal. Crença autêntica ou mera caricatura do nascimento de Cristo: fidelidade ou distorção do fato histórico e de sua dimensão sobrenatural; simples promoção comercial; satisfação de um desejo de aparentar bondade; cumprimento de obrigações sociais; tudo isso significa falsificação mais ou menos grotesca de uma mensagem profunda e transformadora. É o Natal num mundo secularizado e descristianizado. Como é triste ver um mito como “Papai Noel”, ocupando o lugar do menino Deus nos festejos natalinos. Um ícone do consumismo imposto à nossa cultura, não inspirado na verdade histórica, nos valores éticos e nem no bom senso. Acredito que seria mais autêntico aos pais cristãos, em lugar de mentir sobre a existência de “Papai Noel”, dizer aos seus filhos no Dia do Natal que estão recebendo seus presentes por causa do aniversário do nascimento de Cristo.

Precisamos aprender bem as lições do presépio, criado por São Francisco de Assis no século treze. Quando os homens colocam como supremo árbitro o dinheiro, a manjedoura nos prega a pureza  e o despojamento. Quando outros pretendem resolver os problemas deste mundo, utilizando somente a política dos homens, o Natal nos fala dos valores transcendentais. Quando os filhos do mesmo Pai se dividem pelo ódio e pela violência, é do presépio que emana a extraordinária e eficácia pregação da paz e da concórdia. Quando irmãos sofrem injustiças e violências por parte de outros irmãos, a manjedoura nos fala dos fundamentos inalienáveis do direito e de um Deus que detesta e condena o crime, a maldade, a prepotência e a injustiça. Somente uma visão cristã do Natal poderá dar aos homens o que eles desejam: um mundo que não seja somente uma exaltação do econômico e do material, mas a realização do espírito e a concretização do Plano de Deus. Que os leitores do jornal do site da Arquidiocese de Fortaleza tenham um feliz e santo Natal e muita paz, saúde e prosperidade em 2015.

Pe. Dr. Brendan Coleman Mc Donald

Redentorista e Assessor da CNBB Reg. NE1

 

Artigos Relacionados

Publicado em 19/12/2014 por

[Notícias] 6ª Festa da Vida

 

cartaz---festa-da-vida_web500

clique para ampliar o cartaz


6ª Festa da Vida

Com o tema “Vida e Liberdade! Não ao tráfico humano!” foi realizada no dia 14 de dezembro, 3º Domingo do Advento, das 10 às 16 horas, a 6ª Festa da Vida da Arquidiocese de Fortaleza. Este ano, acolheu-a a Paróquia São Francisco de Assis, Conjunto Palmeiras. A Festa da Vida nasceu para ser espaço de celebração e visibilização das ações em defesa da vida, realizadas pelas pastorais, movimentos, organizações, entidades eclesiais e civis. A Festa da Vida é também espaço privilegiado de conhecimento, partilha, diálogo, profecia e confraternização das pessoas cuidadoras da vida.

Com a participação de aproximadamente duas mil pessoas das nove Regiões episcopais, a Festa da Vida foi celebrada valorizando cada vez mais o sentido profundo da Vida, o dom maior que Deus nos dá.

Eram 13 tendas temáticas: Criança e Adolescente; Juventude; Família; Pessoa Idosa; Afrodescentes e Migrantes; Economia Solidária; Pessoas com Deficiência; Terra- Água-Meio Ambiente; Dependência Química; Cuidando da Saúde; Cuidando da Vida; Tenda Arte e Vida; Culturas indígenas. Cada tenda tornou visível, com beleza e arte,  seus  trabalhos realizados em defesa da vida.

Destacamos a participação de muitos leigos da Paróquia São Francisco de Assis, anfitriã da Festa, assim como dos padres Valber e Ricardo, que com muita alegria e empenho assumiram, junto com as equipes de serviço, a 6ª Festa da Vida,  desde a acolhida na Paróquia, como toda sua organização, preparação e realização.

Destacamos as caravanas: Paróquia São Francisco de Assis, Canindé; Paróquia São Miguel Arcanjo, Itapebussu; Comunidade Kolping da Serra do Evaristo e Manga, Baturité; Região Nossa Senhora dos Prazeres; Setor Oeste da Região Episcopal São José; Paroquia Nossa Senhora do Perpetuo Socorro, Mondubim; Paróquia Nossa Senhora da Conceição, Tabatinga; bem como outros grupos que se fizeram presentes.

Destacamos ainda o trabalho incansável de muitas pessoas de várias pastorais, movimentos e entidades que acreditam na proposta da Festa da Vida e se empenham inteiramente,  a cada ano,  em sua preparação e realização.

Dom Rosalvo, bispo auxiliar da Arquidiocese de Fortaleza, visitou todas as tendas. Conversou com as pessoas, acolheu e contemplou as ações em defesa da vida realizadas na Arquidiocese de Fortaleza. Também ajudou-nos na reflexão da Leitura do Profeta Isaías (Is 61,1-2a.10-11) .

Dois depoimentos podem ajudar-nos na compreensão do sentido da Festa:

  1. Foi a primeira vez que participei da Festa da Vida, e para mim foi um momento único, um momento de união, momento fraterno em que não existia Pastoral A ou Movimento B, pois todos formavam uma única comunidade sob a Luz do Evangelho, sem falar nos momentos de vivência das culturas de nossos povos originais nos momentos de Toré e danças circulares. Creio que a cada ano a Festa da Vida consegue alcançar suas metas e dar visibilidade aos trabalhos realizados em Defesa da Vida, e tenho certeza de que cada um que participou levará um pouco daquilo tudo para suas bases, para dessa forma conseguirmos alcançar um Reino de Paz e Justiça aqui na Terra.

Amém! Axé! Awerê! Aleluia!

Italo Morais, articulador da Pastoral da Juventude do Meio Popular (PJMP)

  1. Foi maravilhoso! Pela segunda vez eu participo! E encontrei pessoas do movimento RCC (Renovação Carismática Católica) que acharam o máximo! A interação das pastorais e movimentos da nossa Igreja! Todos
    gostaram! Acharam muito bem organizado! Eu faço parte da Coordenação da Catequese da Região Bom Jesus dos Aflitos.

Edwirgens Lopes Vasconcelos.

 

Maria da Conceição de Almeida, Coordenadora.

(85) Informações (85) 3388-8701

 

 

 

 

Publicado em 18/12/2014 por

[NOTÍCIA] Assembleia avaliativa da região São José

regiao-sao-jose220

Acontecerá no dia 20 de dezembro, próximo sábado, a partir das 8h30min, no Mini-auditório da Faculdade Católica de Fortaleza, a Assembleia Avaliativa da Região Episcopal Metropolitana São José. Por isso convidamos com todo carinho os Conselheiros (02 de cada paróquia) que participaram conosco dos Conselhos da Região durante o ano de 2014, os Párocos, Vigários Paroquiais,  bem como as representações que existem a nível de Região e a coordenação. Esperamos todos de braços abertos para assim avaliando, possamos aperfeiçoar a caminhada naquilo que precisa  e celebrarmos tudo aquilo que houve de positivo no ano corrente.

Um abraço fraterno a todos e maiores informações pelos telefones: (85) 3388-8724 (Secretaria);

(85) 8652-2396 (Maciel)

(85) 9657-5164 (Clara Maria)

 

Publicado em 18/12/2014 por

[BOLETIM] Boletim Informativo de dezembro de 2014

Leia o Boletim Informativo da Arquidiocese de Fortaleza, em PDF.

boletim dezembro de 2014

boletim_dezembro_2014

  • NOTA:

Continuidade do Boletim Informativo
Atenção, leitores do Boletim Informativo da Arquidiocese.
No próximo ano o Boletim passará por um processo de mudança em
sua publicação e envio. Todas as pessoas e instituições eclesiais que estão
cadastradas no banco de dados do Secretariado de Pastoral da
Arquidiocese de Fortaleza receberão, a partir de janeiro de 2015, o
Boletim Informativo da Arquidiocese de Fortaleza por e.mail, nos seus
endereços eletrônicos. Independentes desse envio, podem acessá-lo na
página eletrônica da Arquidiocese.
O Boletim Informativo impresso, enviado pelo correio, ainda sairá
nos três primeiros meses de 2015. A partir de abril só será impresso o
Boletim se houver um bom número de assinantes: padres diocesanos ou
religiosos, diáconos e agentes leigos de pastoral; casas religiosas
masculinas e femininas, seminários e institutos de formação, regiões
episcopais, paróquias, áreas pastorais, capelas, comunidades, reitorias e
santuários; pastorais, serviços, comunidades e organismos.
O Boletim impresso, neste ano, teve um custo médio de R$ 5,00
(cinco reais) por unidade, com despesas de gráfica e correio, para uma
tiragem mensal de dois mil exemplares. É um custo alto para a
Arquidiocese. Com a presença dos meios eletrônicos que facilitam por
demais a comunicação, é desejo do senhor arcebispo que não se faça
mais o Boletim impresso a não ser que um número considerável de
leitores desejem continuar recebendo e queiram arcar com suas
despesas, através de assinatura anual. Isso só poderá ser definido
posteriormente, conforme as respostas dos leitores.
Por isso, gostaríamos de saber quem de fato deseja receber o
Boletim Informativo impresso, via correio, em sua residência. Envie-nos
sua resposta, por email, por carta ou por telefone.
E.mail: secretariadodepastoral@arquidiocesedefortaleza;
Via correio tradicional: Secretariado de Pastoral, Av. Dom Manuel,
339, Centro, CEP. 60060-090 Fortaleza – CE;
Telefones: (85) 3388-8701; 338/8-8723; 3388-8703.

Acessem  sempre a página da Arquidiocese:  www.arquidiocesedefortaleza.org.br


QR Code Business Card