Publicado em 30/11/2011 por

Igreja Católica realiza Campanha Nacional de Incentivo ao Teste da Aids

No dia 1º de dezembro, Dia Mundial de luta contra a Aids, a Igreja Católica, através da Pastoral da Aids, Pastoral da Criança e Pastoral da Saúde, realizará ações de informação e orientação para a população sobre importância do teste da Aids e indicando os locais para o mesmo.

O objetivo da campanha é informar e orientar a comunidade sobre a importância de fazer o teste da Aids mesmo sem ter sintomas da doença. Além deste cuidado de prevenção, a iniciativa também pretende promover uma grande mobilização para que as pessoas incentivem as outras a fazerem o teste.

Cerca de 250 mil brasileiros convivem com HIV sem saber, pois nunca fizeram o teste da Aids. Grande parte da população nunca se testou. Muitas pessoas recebem o diagnóstico quando já estão doentes. Por causa disso, 17% vão a óbito no 1º ano do diagnóstico. O diagnóstico precoce torna o tratamento mais eficiente, evita doenças e garante qualidade de vida.

Programação para o Dia 1º de dezembro:
– Campanha de testagem na Praça José de Alencar – Durante o dia.
– Manifestação do Fórum de ONG/Aids no CTA Carlos Ribeiro (Abraço ao CTA) – Jacarecanga.
– Missa da Saúde na Paróquia Mãe Santíssima – Parque Dois Irmãos
– Diversas palestras e oficinas alusivas ao tema da Aids

A Pastoral da Aids – Regional Nordeste I, fica na Rua Tenente Marques, 131 – Presidente Kenedy – Fortaleza – CE.

Contatos pelos telefones (85) 3478-2707/ 8618-8615 – Irmã Deuza ou (85) 8821-9916 – Jaqueline.

Ouça: Spots Dia Mundial Luta contra Aids

Conheça mais: Visite o Site

Publicado em 30/11/2011 por

Vídeos da XXI Assembleia Pastoral

Durante a XXI Assembleia Pastoral vários delegados falaram de suas expectativas em relação aos rumos de nossa Arquidiocese de Fortaleza:

Depoimentos:

Dom José Antonio – Arcebispo Metropolitano de Fortaleza

Padre João Jorge – Vigário Geral da Arquidiocese

Padre Antônio Augusto Menezes – Vigário Episcopal da Região Praia São Pedro e São Paulo

Diácono Luciano – Coordenador do Conselho Missionário Arquidiocesano – COMIDI

Dário A. Vasconcelos – coordenador do Setor Juventude da Arquidiocese de Fortaleza

Francisco Jonas – Coordenação da Região Episcopal Praia São Pedro e São Paulo

Isabel Cristina – Cáritas Arquidiocesana de Fortaleza

Miguel Brandão – Secretário Executivo de Pastoral

Mônica Pimentel – Assessora da XXI Assembleia

Padre Gilson – Pároco de Monte Castelo

Publicado em 30/11/2011 por

“Advento, tempo de Esperança”

Pe. Luiz Carlos de Oliveira, Redentorista

A espera traz alegria!
O tempo do Advento tem uma espiritualidade muito encarnada na vida das pessoas. Se não é encarnada, não é espiritualidade. Como o Filho de Deus assumiu a condição humana, a espiritualidade só será consistente se for também humana. Por isso, quando a gente recebe a notícia que vai chegar alguém muito querido, o coração bate forte. Ficamos ansiosos. É o que vemos na história da salvação: A humanidade esperou por tanto tempo a vinda do Messias. Os profetas viram de longe e se encheram de alegria. O Anjo anunciou a Zacarias o nascimento de João que vinha “preparar o caminho”. De João Batista, diz o Anjo: “Muitos se alegrarão com seu nascimento” (Lc 1,14). O Anjo anunciou também o nascimento de Jesus. O sentimento que domina é a alegre esperança. É o que os evangelhos proclamam, a liturgia celebra, e a comunidade vive. Podemos dizer que o Natal virou comércio. Mas é por causa de Jesus, mesmo que a sociedade não o perceba. A liturgia, no decorrer dos tempos, foi organizando o ciclo das festas. Primeiramente formou o ciclo pascal com a festa da Páscoa. Depois surgiu a Quaresma e o Tempo Pascal. Seguindo o mesmo esquema, organizou-se o tempo da Manifestação do Senhor que compreende o Natal, sua preparação com o Advento e as celebrações do tempo do Natal com a Epifania. Isso se deu no século VI e VII. Neste tempo salientamos a Esperança como fruto da fé.

Cristo nossa vida
O que celebramos neste tempo? Temos que entender que o Mistério Pascal de Cristo é um único mistério vivido em suas diversas faces. Neste tempo vivemos nossa salvação a partir da Encarnação de Jesus. Nela temos a entrega de Jesus ao Pai pela salvação do mundo, como vamos contemplar na Páscoa. Por que o Filho de Deus se encarna? Para estabelecer a comunhão conosco e nos convidar a viver sua Vida. Ele abre para nós as portas da Vida Eterna. A Encarnação é um Mistério inconcebível. Como Deus se faz gente? Precisamos entrar cada vez mais em comunhão com Deus para poder compreender este acontecimento de Deus em nossa Humanidade. Na pessoa de Jesus há duas naturezas, a divina e a humana, que são uma só Pessoa. Deste modo nossa natureza humana está unida intimamente à pessoa de Jesus. Ele é de nossa carne, raça e gente.

Uma Igreja grávida
O presente que Deus nos dá é o Filho Bendito. Por que a gente foge de Jesus? Porque acolher o amor de Deus é comprometer-se com o amor sem o egoísmo. Ao iniciar o tempo da Manifestação do Senhor, estejamos abertos e prontos a refletir, amar e acolher aquele fogo de amor que sai do berço onde dorme uma Criança que é o Amor. A Manifestação do Senhor lembra-nos também que um dia Ele virá para nos levar consigo e completar a total libertação de todo o Universo com o fim dos tempos. É sempre uma presença amorosa e salvadora. Faça a experiência de se abrir, fazer um presépio no coração e acolher Aquele que vem. Nós sabemos que O acolhemos, quando acolhemos os outros. Deus, pelo Anjo, se manifesta a Maria que O acolhe. Como símbolo da humanidade, se engravida. No seu seio está o Redentor. Na preparação do Nascimento, contemplamos a Mãe grávida por obra do Espírito Santo. Como Maria esperava o Menino? Ela o deu ao mundo. Igualmente a Igreja está com Ele em seu seio. Ela é também mãe grávida. Ela, através dos seus filhos o gera ao mundo para que a vida de comunhão com Deus seja experimentada na vida de comunhão dos irmãos.

Por: Pe. Luiz Carlos de Oliveira, Redentorista

Publicado em 30/11/2011 por

Meditação do Evangelho – 2º Domingo do Advento – Ano B (Mc 1,18)

“PREPARAR O CAMINHO DA SALVAÇÃO EM NOSSA VIDA PARA ACOLHER O SENHOR QUE VEM!”

Queridos irmãos em Cristo!

Perseverando vigilantes no Senhor pedimos a Deus que nenhuma atividade terrena nos impeça de correr ao encontro do Filho amado, o qual esperamos com toda ternura do coração, a fim de que participemos da plenitude de sua vida! Seguindo o espírito da oração coleta entramos no mistério deste 2º Domingo do Advento.

Consolar e preparar o caminho de Deus no deserto e na solidão.
Escutamos a profecia de Isaías a nos dizer e nos enviando em missão: “Consolai o meu povo, consolai-o”! (cf. Is 40,1) De fato somos convidados a sermos portadores de uma boa notícia para toda a humanidade. Entretanto essa novidade para ser bem acolhida deverá encontrar um caminho preparado, muitas vezes marcado por situações onde a nossa fé está continuamente colocada à prova pelas preocupações, tribulações, problemas e perseguições nas mais variadas formas – a imagem do deserto é bem marcante, pois nos remete a um tempo de caminhada onde Deus vai realizado a sua obra e manifestando a sua presença. Neste lugar somos tentados a desanimar, a abandonar a missão e até mesmo a termos uma visão distorcida da realidade. Também a imagem da solidão como atitude de recolhimento deverá ser observada como um meio privilegiado no qual o Senhor nos fala diretamente ao coração. Saber silenciar nossos sentidos, pacificar nossas inclinações, buscar o silêncio como uma graça, nestes tempos de tantos ruídos, é uma urgência nossas como também uma ascese pessoal e comunitária.

Ouvir Deus que nos fala e nos concede a salvação.
O tempo do Advento como período de preparação para a chegada do Senhor Jesus é também um momento onde devemos buscar uma maior intimidade com o Deus por meio de sua Palavra. Da mesma forma como o salmista (Sl 84/85) expressamos o nosso desejo pessoal de querer ouvir o que o Senhor irá falar e acolher o seu anúncio de paz! Na liturgia dominical, na mesa da Palavra (ambão) por meio das leituras temos uma diversidade e riqueza de anúncio e conteúdo oportunos para o nosso crescimento humano e espiritual. Escutando atentamente e meditando a Palavra os valores do reino serão encontrados em nós: a verdade que aponta para a justiça e o amor que traz a paz ao nosso coração!

A paciência de Deus e o esforço de cada um de nós.
A segunda carta de São Pedro nos apresenta algo que não podemos deixar de levar em consideração: Deus tem um tempo muito diferente da nossa maneira de compreender o tempo. Na vida cotidiana nós até usamos expressões que demonstram essa compreensão, tais como: “Cada pessoa tem o seu tempo!” Ainda assim há uma grande responsabilidade envolvida, ou seja; a de não desperdiçarmos o tempo sagrado de nossas vidas, mas reconhecendo a grande paciência divina que nos dá a oportunidade de conversão construirmos uma nova realidade; “novos céus e nova terra”. O esforço pessoal de mudança será a certeza de um bom encontro com o Senhor por meio de “uma vida pura, sem mancha e em paz”!

Apresentar Cristo ao mundo inteiro.
O Evangelho de Marcos inicia com a missão de João Batista de apresentar Jesus. Ele é o mensageiro, a voz que grita no deserto. Entretanto, neste domingo o silêncio e o grito são dois momentos, que embora distintos, se complementam necessariamente. O silêncio do povo exilado e o grito de esperança na reconstrução da história se atualiza na encarnação silenciosa do verbo no seio de Maria e no grito que chega aos céus por meio dos anjos, dos pastores e de todos nós – enquanto isso esperamos…

João tem uma maneira muito peculiar de ser profeta: resgatando a autoridade vista em Elias, no seu jeito de vestir e desprendendo-se de quaisquer dependências e convenções sociais: morando no deserto e comendo gafanhotos e mel anuncia um batismo de conversão e não toma para si mesmo o mérito, mas, pelo contrário aponta para Aquele que vem do qual não se sente digno de desamarrar suas sandálias!

Desejando que Deus seja todo em todos, em Jesus o bom pastor e Maria nossa mãe.

Por: Pe. Fernando Antonio Carvalho Costa.

Publicado em 29/11/2011 por

Homilia do 2º Domingo do Advento (04.12.11)

Pe. Luiz Carlos de Oliveira, Redentorista

“Preparai o caminho do Senhor!”

Consolai, meu povo!
O tempo do Advento celebra as duas vindas de Cristo: Aquele que virá sobre as nuvens e o que veio sobre a palha. É a mesma dimensão de encontro com “Aquele que vem”. A liturgia do Advento nos coloca na mesma expectativa dos profetas, principalmente do profeta Isaías, pois rezamos na oração da missa: “Nós vos pedimos, ó Deus, que nenhuma atividade terrena nos impeça de correr ao encontro do vosso Filho” (Oração). Isto é o mesmo que dizer: “Nivelem-se os vales, rebaixem os montes; endireite-se o que é torto e alisem-se as asperezas” (Is. 40,4). O Advento nos remete ao sentimento de que um dia esse mundo será melhor, a partir do momento em que as pessoas aceitam Jesus na condição humana. Ele vem para implantar a paz, a justiça e o amor, como rezamos no salmo: “A verdade e o amor se encontrarão, a justiça e a paz se abraçarão” (Sl 84). Todas as promessas têm sua realização no que João anuncia. João é a síntese de todos os profetas: Anunciou a presença do Messias e O acolheu como o enviado do Pai. O profeta Isaias anuncia, ao povo que estava no exílio da Babilônia, uma libertação grandiosa como o Deus que vem a seu encontro. Deus mesmo liberta seu povo. Por isso o profeta inicia com palavras de conforto: “Consolai, consolai, meu povo… a servidão acabou e a expiação de suas culpas foi cumprida” (Is 40,1.2). É o novo Êxodo e, dessa vez, glorioso. No mundo atual, em meio a tantas escravidões, podemos ouvir a voz do profeta e de João que preconizam tempos novos de libertação. Cada Natal é a realização da libertação que vem de Deus através de seu Filho, o pastor que carrega os cordeiros ao colo (11). Infelizmente os caminhos estão bem estragados. Na Angola o povo cantava que estava difícil voltar para casa, pois o mato crescera no caminho. Sua vinda é consolação para todos sofredores.

Correr ao encontro de Jesus
Ir ao encontro de Cristo tem um endereço certo: a pessoa do irmão. Irmão não é só o irmão de fé, mas todo homem e toda mulher, pois todos são filhos e filhas de Deus. Ele vem ao nosso encontro e nós O encontramos no irmão: “Agora e em todos os tempos Ele vem ao nosso encontro, presente em cada pessoa humana para que O acolhamos na fé e O testemunhemos na caridade, enquanto esperamos a feliz realização do seu Reino” (Prefácio). João Batista é o exemplo e o pregador desta verdade, pois ele próprio era desapegado de tudo e aberto para receber a Boa Notícia que é Jesus e comunicá-la. Deus age na história na libertação do exílio, na vinda de Jesus e no Reino presente no meio de nós. Para realizar essa missão e acolher e anunciar, como fez João, temos que ter uma vida penitente e despojada. Só o deserto pode nos formar.

Julgar os valores terrenos
Quais são os caminhos que devemos aplainar? O fiel necessita neste tempo a capacidade de discernir o que é de Deus e onde firmar sua esperança. Já temos por experiência que os bens terrenos são bons para conquistar o Reino dos Céus pela caridade. Mas não são bons quando nos conquistam. Jesus ensinou: “Fazei amigos com o dinheiro da iniqüidade, a fim de que, no dia em que falar, eles vos recebam nos tabernáculos eternos” (Lc 16,9). Esta paz vem “os que voltam ao Senhor seu coração! (Id). A Eucaristia será sempre a mestra que ensina a julgar com sabedoria os valores terrenos e a colocar nossas esperanças nos bens eternos” (Pós-comunhão). Nossa vida prepara a vinda do Senhor a outros que vem.

Leituras: Isaías 40, 1-5.9-11; Salmo 84; 2 Pedro 3,8-14; Marcos 1,1-8

Homilia do 2º Domingo do Advento (04.12.11)

1. Celebramos a dupla vinda de Cristo: nas nuvens e nas palhas. Nós vamos ao encontro. Como João e os profetas, estamos na expectativa. Que as atividades nãos nos impeçam. Isso significa abrir os caminhos e nivelá-los. Há um futuro melhor. Isaias consola o povo no exílio e promete um novo Êxodo.

2. Ir ao encontro tem como endereço o irmão. João era desapegado e aberto à Boa Nova. João se criou no deserto. Somente no deserto de uma vida penitente e despojada podemos acolher e anunciar.

3. É tempo de discernir o que é de Deus e onde firmar sua esperança. Os bens terrenos não são bons quando nos conquistam e são bons para conquistar o Reino dos Céus pela caridade. A Eucaristia ensina a julgar os valores.

Sujeito diferente
O Advento é tempo da preparação para acolher a vinda de Cristo no fim do mundo, mas é tempo também da memória da vinda de Jesus em nossa humanidade. Para este momento Deus preparou o mundo desde a criação do universo, do homem e da mulher e, depois, através de um povo que Ele formou para seu Filho ser cidadão.

Quando chegou o momento de Deus ser humano como nós, Ele nos apresentou primeiro um homem muito diferente, não estranho. João Batista é aquele que vem preparar o caminho do Senhor. Era como os profetas antigos, mas era diferente, pois não só anunciou um futuro próximo, mas o mostrou presente.

Como os antigos profetas eram cheio de símbolos. Anunciava a conversão. Ele mesmo estava preparado e preparando a vinda do Messias prometido. Era totalmente de Deus e despojado de tudo que era vaidade humana. Era diferente por ser muito bom.

João sabia seu lugar. Era importante, mas sabia que preparava o caminho para outro realizar sua missão. Como é bom a pessoa saber seu lugar!

Por:

Pe. Luiz Carlos de Oliveira, Redentorista

Publicado em 29/11/2011 por

A Coroa do Advento

Pe. Dr. Brendan Coleman Mc Donald - Redentorista

Cada ano, no tempo do Advento, a Igreja Católica apresenta a “Coroa do Advento”. A coroa é feita com ramos verdes, frequentemente, enfeitada com fitas coloridas e lugares para quatro velas, todos no mesmo nível. No primeiro domingo do Advento uma vela amarela é acesa recordando o profeta Isaías anunciando a salvação e a vinda do Messias por volta do ano 500 a.C. É uma luz pálida (amarela) porque a salvação é ainda distante.

No segundo Domingo uma vela vermelha é acesa recordando o precursor de Jesus, São João Batista, testemunhando que a chegada do Salvador está próxima. A vela é vermelha indicando o martírio de São João Batista. No terceiro domingo uma vela rosa ou roxa é colocada na Coroa, indicando Maria, a bem-aventurada, trazendo o próprio Salvador e a alegria da salvação. No quarto domingo uma vela verde é colocada na Coroa, indicando Jesus, trazendo a alegria da salvação. “Verde da árvore da vida, broto da raiz de Jessé”.

Na missa do Natal de Nosso Senhor Jesus Cristo uma vela branca é colocada na Coroa um pouco mais alto do que as outras quatro velas indicando a chegada de Jesus, a luz do mundo. Deus nasce no meio de nós, feito homem como nós. Traz consigo a plenitude da divindade. As quatro velas da Coroa do Advento retomam o costume judaico de celebrar a vida da luz na humanidade dispersa pelos quatro pontos cardeais.

Em cada domingo, então, se acende uma vela. Ela poderá ser trazida na procissão de entrada da seguinte maneira: a cruz processional, a Vela do Advento, a Bíblia (ou Lecionário), de onde será proclamadas as leituras. No momento da aclamação do Evangelho, um coroinha vai acender solenamente a vela. A pessoa que acender a vela deve permanecer junto à mesa da Palavra de onde é proclamado o Evangelho. Terminada a proclamação, quem preside coloca a vela na Coroa do Advento.

Pe. Brendan Coleman Mc Donald, Redentorista

Publicado em 28/11/2011 por

Shalom promove EXPONATAL: Arte e solidariedade fazem parte da programação

A Comunidade Shalom realiza de 2 a 4 de dezembro mais uma edição da EXPONATAL, evento que reúne no mesmo local feira de produtos e serviços, espetáculo natalino de música, teatro e dança,bazar solidário, concurso de presépios, shows musicais e apresentação de corais. Neste ano a EXPONATAL acontecerá no Centro de Negócios do Sebrae, a partir das 17h.

Para Tobias Cortez, um dos organizadores do evento, o objetivo da EXPONATAL é resgatar o verdadeiro sentido do Natal. “Mais uma vez a Comunidade Shalom proporciona aos fortalezenses a oportunidade de mergulhar no verdadeiro sentido do Natal que é o nascimento de Jesus. Através da arte queremos propor um modo novo de aprofundar o sentido do período”, disse.

A programação consta de exposição de produtos e serviços na Praça de Stands. Os Projetos de promoção da dignidade humana da Comunidade Shalom exporão artigos feitos de modo artesanal. O bazar solidário oferece a venda de roupas e objetos novos e semi-novos a preços simbólicos.

No palco feira destaque para os corais Porta Voz e Vozes do outono, ambos sob a regência do renomado maestro Poty. Também marca presença o violinista Rodrigo Cardozo. Ainda cantam o professor Ary, Ana Gabriela e a banda Missionário Shalom, com show acústico.

Espetáculo

O espetáculo Filho de Deus Menino Meu terá 4 (quatro) apresentações durante a EXPONATAL. Ano passado o musical teve exibição no Centro de Convenções e no teatro do Via Sul Shopping, sempre com sessões lotadas.

Diferente de tudo que se é apresentado no período do Natal, o espetáculo mostra a história de uma trupe que encena mundo afora o nascimento do Menino Deus. O regionalismo está presente nas músicas, todas compostas para o espetáculo, figurino e fala dos 26 atores, que por mais de uma hora, prendem a atenção do público com uma mensagem de alegria e “tiradas” pra lá de bem humoradas.

Não é à toa que o espetáculo atrai a atenção dos espectadores: foram mais de três anos sendo adaptado do livro homônimo, de autoria da escritora cearense Emmir Nogueira. “O espetáculo nos fala do milagre divino capaz de enobrecer a pobreza humana com sua encarnação.”, diz Wilde Fábio, diretor geral.

O xote, o baião, o forró perpassam as cenas que contam o nascimento de Maria; seu casamento com José; a fuga para o Egito; a apresentação no templo; dentre outros momentos marcantes da infância de Jesus – que fazem parte da origem da festa natalina. O momento marcante é o nascimento do Menino Deus. As cores, a trilha, o figurino e as falas dos personagens emocionam os presentes.

SERVIÇO
EXPONATAL – Mais que um presente, uma prova de amor
Local: Centro de negócios do Sebrae (Rua Mons. Tabosa, nº 777)
Data: 2 a 4 de dezembro de dezembro
Horário: A partir das 17h
Ingressos: R$ 5,00 (cinco) por dia.
Espetáculo Filho de Deus Menino Meu
Horários: Sexta-feira (02): 20h; Sábado (03) 18h e 21h; Domingo (04) 20h
Ingressos: R$ 15,00 (quinze), por espetáculo, com acesso à feira

Mais informações: (85) 3295.4583 www.comshalom.org\exponatal

Meia entrada para todos.

Publicado em 28/11/2011 por

O segundo dia da XXI Assembleia Arquidiocesana de Pastoral

O segundo dia da XXI Assembleia Arquidiocesana de Pastoral começou com uma celebração eucarística, presidida pelo nosso arcebispo Dom José Antonio Aparecido Tosi Marques. A manhã deste lindo domingo na terra do sol e as luzes do Espírito Santo vão iluminar as mentes dos delegados.

Depois da celebração e do café da manhã, os delegados foram ao plenário para decidirem os novos rumos de nossa ação pastoral. Todos estão animados. A igreja arquidiocesana está em expectativa e rezando para o bom êxito.

Fotos da celebração  Eucarística

Publicado em 27/11/2011 por

Vídeo – Palavra de Dom José Antonio

Publicado em 27/11/2011 por

Vídeo: Palavra de Dário A. Vasconcelos


QR Code Business Card